Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Hollande pede coalizão para combater financiamento ao terror

No Fórum Econômico Mundial, em Davos, o presidente francês afirmou que o sistema financeiro atual é conivente com o financiamento a grupos extremistas

Por Ana Clara Costa, de Davos - 23 jan 2015, 13h01

Duas semanas após os atentados que mataram dezessete pessoas em Paris, o presidente francês François Hollande se dirigiu a empresários e chefes de estado pedindo uma união de forças para acabar com o financiamento de grupos terroristas. Em discurso durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, o presidente francês relembrou os atentados e as manifestações que se seguiram, contando, inclusive, com a presença de chefes de estado. “Só na França poderia ter havido uma mobilização como essa”, disse o presidente.

Hollande alertou que o próprio sistema financeiro atual é conivente com o financiamento a grupos extremistas porque, por meio de suas entranhas, é lavado o dinheiro proveniente de tráfico de armas, drogas e pessoas que ajuda a financiar organizações como a Al Qaeda. “Eu convoco o sistema financeiro a assegurar que as fontes de financiamento ao terrorismo sejam extintas. Precisamos banir a evasão fiscal e a lavagem de dinheiro”, disse o governante. O presidente da França também pediu para que as grandes empresas da internet contribuam para a luta contra o terrorismo “identificando conteúdos ilegais e os tornando inacessíveis”. O presidente defendeu o estabelecimento de regras para se conseguir esse objetivo e o terrorismo não se aproveitar da tecnologia.

Leia também

Polícia prende quatro suspeitos de envolvimento nos atentados em Paris

Publicidade

Edição histórica do ‘Charlie Hebdo’ será vendida no Brasil

Popularidade de Hollande registra aumento histórico após atentados

Herói malinês recebe nacionalidade francesa

O presidente disse ainda que a França sempre se manteve à frente na luta em favor da liberdade e elogiou a atuação militar do país em áreas de conflito na África. Pediu, no entanto, que os demais países do Ocidente se prontifiquem a também atuar no sentido de combater tentativas extremistas em países onde há constantes ataques, como a Nigéria, Níger, Camarões e o Iêmen. “Não esperem até que seja tarde demais. A luta contra o terrorismo tem de ser global, dividida entre Estados, empresas, em especial as grandes, que devem fazer o que estiver ao seu alcance”, disse o francês.

Publicidade

Muitos esperavam um discurso emocionado de Hollande relembrando os ataques. Contudo, o presidente não se deteve mais que dez minutos falando sobre o terrorismo. Os 25 minutos restantes serviram para que abordasse a conferência do clima que ocorrerá em Paris este ano — razão que, segundo ele, o trouxe a Davos — e para enaltecer o dinamismo da economia francesa. O presidente aproveitou ainda para elogiar a ação do Banco Central Europeu, que na tarde de quinta-feira anunciou um pacote de estímulos que deve injetar mais de 1 trilhão de euros nos países do bloco até 2016.

Ouvintes do discurso saíram do local um pouco desanimados. Esperavam que o presidente francês fosse derramar lágrimas em razão dos ataques. Entre eles estava o chefe da Deloitte da França, Alain Pons, que afirmou não ter sentido os espectadores tocados pelo discurso do presidente. “O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, provocou mais entusiasmo na plateia”, disse. Hollande deve retornar a Paris ainda nesta sexta-feira, depois de se encontrar com o secretário de Estado americano John Kerry, que também está em Davos.

Publicidade