Clique e assine a partir de 9,90/mês

Hollande e Cameron tentam deixar diferenças para trás

Por Carl Court - 10 jul 2012, 15h59

O presidente francês, François Hollande, e o premier britânico, David Cameron, esforçaram-se, nesta terça-feira, para superar o começo difícil de sua relação, apesar das divergências envolvendo a Europa, na primeira visita oficial de Hollande à Grã-Bretanha.

Os dois políticos, que nos últimos meses tiveram vários desentendimentos, tentaram mostrar alguma harmonia na entrevista coletiva realizada depois de uma reunião e de um almoço em Downing Street, em que Hollande defendeu “uma Europa com várias velocidades”.

“Não estamos na mesma situação. O Reino Unido não pretende se tornar um membro da Eurozona, e não pretende contê-la. E nós não obrigaremos ninguém a se juntar ao bloco”, disse o presidente francês, frisando que ambos entendem suas respectivas posições.

Cameron, que, em fevereiro, negou-se a receber Hollande durante a campanha deste último, porque apoiava seu rival, Nicolas Sarkozy, também tentou ver positivamente suas diferenças com o novo inquilino do Palácio do Eliseu, ideologicamente mais distante.

Continua após a publicidade

“Sempre haverá temas em que não estaremos de acordo, mas descobrimos muito mais pontos em comum, não apenas envolvendo a política europeia, mas também em como desenvolveremos a política europeia para o Reino Unido e a França”, declarou o premier conservador britânico.

Cameron lembrou que “o Reino Unido queria que a Eurozona tivesse uma moeda forte e estável”, e que ambos os países apoiaram as medidas tomadas na mais recente reunião de cúpula de Bruxelas para encontrar soluções para a crise da dívida, entre elas a recapitalização dos bancos espanhóis.

Pressionado pela ala mais eurocética de seu partido, o chefe de governo britânico havia se negado a assinar, este ano, o pacto fiscal europeu fechado por 25 dos 27 países da União Europeia para aumentar a estabilidade das finanças britânicas da Eurozona em seu conjunto.

Durante a reunião, em que discutiram outros temas da agenda internacional, os chefes de Estado ressaltaram também a “convergência” de pontos de vista em relação à Síria, e a presença crescente da Al-Qaeda na zona do Sahel.

Continua após a publicidade

Hollande foi recebido pelo mais antigo regimento do Exército britânico em sua chegada ao Ministério das Relações Exteriores. A recepção aconteceu menos de um mês depois que Cameron provocou uma grande polêmica na França, quando, na reunião de cúpula do G20, no México, declarou-se disposto a “estender o tapete vermelho” aos exilados fiscais franceses, após o aumento, anunciado por Hollande, do imposto sobre as grandes fortunas.

Depois de Londres, o presidente francês dirigiu-se ao castelo de Windsor, onde foi recebido por uma hora pela rainha Elizabeth II. A reunião, privada, aconteceu em francês, língua que a soberana domina, na residência onde a rainha passa a maioria dos fins de semana e férias.

Hollande, que fazia uma visita de um dia, viajou a Londres sem a companheira, Valérie Trierweiler. Em seu primeiro ato, diante de representantes da numerosa comunidade francesa em Londres, anunciou que retornará em 30 de julho, para torcer por atletas franceses nos Jogos Olímpicos.

Publicidade