Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Hollande diz que França está ‘disposta a punir’ regime sírio

Presidente francês afirmou ainda que reunirá conselho de defesa para avaliar situação - e mantém conversas com aliados sobre a questão Síria

O presidente francês François Hollande afirmou nesta terça-feira que seu governo está disposto a punir o regime do ditador sírio Bashar Assad, acusado de empregar armas químicas em um ataque que matou centenas de civis morreram na semana passada. “O massacre químico em Damasco não pode ficar sem resposta, e a França está pronta para punir os que tomaram a decisão infame de matar inocentes”, disse Holande durante um encontro com embaixadores da França em Paris.

Leia também:

Missão da ONU na Síria é adiada até quarta-feira

‘EUA estão prontos para atacar a Síria’, diz secretário

No mesmo discurso, Hollande disse que, nos últimos dias, tem mantido conversas frequentes com outros governos europeus e também com os Estados Unidos a respeito da questão síria. Por fim, afirmou que deve reunir na quarta-feira um conselho de defesa para avaliar a situação no país árabe. O parlamento francês deve ser informado sobre qualquer decisão tomada pelo governo.

O duro discurso de Hollande acontece após as potências ocidentais terem aumentado as críticas ao regime de Assad – dado sinais de que estão dispostas a tomar algum tipo de ação militar em represália ao ataque químico contra civis.

Mais cedo, o secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, afirmou que as forças do país estão prontas para um eventual ataque à Síria – e aguardam somente uma ordem do presidente Barack Obama. Reportagem do jornal Washington Post afirma que a administração Obama avalia uma série de ataques com o emprego de mísseis ou bombardeiros contra alvos do regime de Assad. A ação deve durar no máximo dois dias, como forma de evitar que as forças do país sejam arrastadas para a guerra civil que assola a Síria desde 2011.

Também nesta terça-feira, o primeiro-ministro britânico David Cameron afirmou que convocou uma sessão extraordinária do parlamento do país para avaliar uma resposta contra o regime de Damasco.