Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Hackers sobrecarregam site do Banco Central

Por Da Redação 3 fev 2012, 13h24

Rio de Janeiro, 3 fev (EFE).- Um número extraordinário e simultâneo de acessos, aparentemente coordenado por um grupo de hackers, sobrecarregou nesta sexta-feira as páginas de ao menos quatro bancos brasileiros, entre eles o Banco Central, cujo site chegou a ficar fora do ar por alguns minutos.

A página do Banco Central, que até agora se absteve de comentar o fato, ficou inacessível por alguns minutos por volta das 10h15 (horário de Brasília) desta sexta-feira, segundo foi constatado pela Agência Efe.

O mesmo aconteceu quase uma hora depois e em diferentes momentos com os sites da subsidiária brasileira do Citibank, o Banco Panamericano e o BMG.

Um grupo de hackers, denominado ‘Anonymous Brasil’, alegou em seu perfil no Twitter ter coordenado ataques contra as quatro instituições.

O mesmo grupo já havia reivindicado os ataques que desde segunda-feira passada deixaram fora do ar por alguns minutos e provocaram instabilidade no acesso às páginas dos bancos Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e HSBC.

Continua após a publicidade

Nenhum dos bancos que foram alvo dos supostos ataques desta sexta-feira se manifestou sobre o fato.

As quatro instituições atacadas entre segunda e quinta-feira admitiram ter enfrentado instabilidade em seu sistema pela sobrecarga de acessos, mas negaram que seus sites tivessem sido invadidos pelos hackers.

As instituições descartaram qualquer risco para a segurança dos dados dos clientes e negaram que os acessos simultâneos em elevado número ameacem a segurança de seus servidores ou de seus sistemas operacionais.

O Anonymous Brasil, que prometeu causar problemas na página de um banco por dia durante esta semana, anunciou na segunda-feira que sua iniciativa procura chamar a atenção sobre a corrupção e as desigualdades sociais do país.

Sua tática consiste em coordenar várias máquinas controladas remotamente para que tentem milhões de acessos simultaneamente de um site para sobrecarregá-lo e deixá-la fora do ar. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade