Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Hackers sírios forçam EUA a derrubar site do Exército

O grupo criminoso Exército Eletrônico Sírio, que apoia o ditador Bashar Assad, havia invadido a página eletrônica das Forças Armadas americanas

Por Da Redação 8 jun 2015, 21h42

Os Estados Unidos foram obrigados a derrubar nesta segunda-feira o site oficial das Forças Armadas após hackers do grupo Exército Eletrônico Sírio, ligados ao ditador Bashar Assad, terem atacado o portal. A medida foi tomada para impedir que os criminosos tivessem acesso a dados sigilosos dos militares. O brigadeiro-general Malcolm Frost, chefe de relações públicas do Exército, afirmou que foram tomadas “as medidas preventivas apropriadas para assegurar que não houvesse o vazamento de dados”. Ele assegurou que o site ficará fora do ar até quando for seguro.

Leia também:

Ciberjihadistas são altamente capacitados, dizem especialistas

EUA tentaram infectar usinas nucleares da Coreia do Norte com vírus de computador

A rede BBC classificou o episódio de “embaraçoso” para o governo americano. Antes de o Exército impedir o acesso ao portal, os hackers sírios haviam postado mensagens de apoio à ditadura de Assad. Os criminosos já causaram transtornos para os Estados Unidos em outras oportunidades. O jornal Daily Telegraph recordou que os hacker invadiram páginas da imprensa com o intuito de fazer propaganda e disseminar informações falsas. Em 2013, uma mensagem postada no Twitter da agência Associated Press dizia que duas explosões na Casa Branca haviam ferido o presidente Barack Obama. O veículo se desculpou posteriormente pela confusão causada durante o ciberataque.

Em um discurso feito no início do ano, Obama reconheceu que vulnerabilidades põem em risco a infraestrutura e a economia dos Estados Unidos. Há cinco meses, o Comando Central americano precisou fechar suas contas no YouTube e Twitter após hackers do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) usarem as páginas para propagandear o radicalismo islâmico. Na última semana, criminosos chineses tiveram acesso aos dados de 4 milhões de funcionários federais armazenados pelo governo. Outros ciberataques tiveram como alvo o Departamento de Estado, o Serviço Postal e a Casa Branca.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade