Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Guerra esquecida’ do Iêmen já matou mais de 700 crianças

Segundo a Unicef, as crianças também representam a metade dos 2,3 milhões de deslocados internos no país

Pelo menos 747 crianças morreram e 1.108 ficaram feridas desde março em decorrência do conflito no Iêmen. Segundo denunciou nesta terça-feira a Unicef, aproximadamente 10 milhões de menores enfrentam um novo ano de sofrimento no país. Os contínuos bombardeios e combates expõem as crianças e suas famílias a “uma mortal combinação de violência, doenças e privações”, informou a Agência da ONU para a Infância. As crianças representam a metade dos 2,3 milhões de deslocados internos do Iêmen e uma grande proporção das 19 milhões de pessoas com dificuldades de acesso à água potável.

Leia mais:

Bombardeio contra centro dos Médicos Sem Fronteiras mata 4 no Iêmen

Teerã acusa sauditas de bombardearem embaixada iraniana no Iêmen

Ainda de acordo com os dados do Unicef, 1,3 milhão de crianças menores de cinco anos correm risco de desnutrição aguda e infecções respiratórias, enquanto 2 milhões não podem ir à escola. As catastróficas circunstâncias impedem, além disso, que a maioria das 7,4 milhões crianças que precisam de ajuda, incluindo apoio psicológico, possa recebê-la. A agência ressaltou a urgência no aumento dos esforços para enviar assistência ao país, apesar da mais recente campanha para vacinar cerca de 4 milhões de menores.

Em 5 de janeiro, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos informou que 2.795 civis morreram e 5.324 ficaram feridos nos últimos nove meses por causa da violência no Iêmen. O conflito entre os rebeldes xiitas houthis, apoiados pelo Irã, e as forças do presidente Abdo Rabbo Mansour Hadi piorou em março, com o início da intervenção militar de uma coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita, aliada do governante iemenita.

(Com agência EFE)