Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Guantánamo: cinco acusados do 11/9 levados a tribunal

Entre os que enfrentarão o tribunal militar na base de Guantánamo está o autor dos ataques às torres gêmeas, Khaled Sheikh Mohammed

Os cinco acusados pelos atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, incluindo o autoproclamado cérebro dos ataques, Khaled Sheikh Mohammed, começaram a chegar neste sábado a um tribunal militar na base de Guantánamo, na ilha de Cuba. “A acusação está pronta para proceder no caso de Khaled Sheikh Mohamed contra os Estados Unidos”, declarou o principal promotor, general Mark Martins.

Além de Mohamed, um kuwaitiano de 47 anos; o iemenita Ramzi ben al-Shaiba; o paquistanês Alí Abd al-Aziz Ali, conhecido como Mohamed al-Balushi; e os sauditas Walid ben Attach e Mustafah al-Husaui serão acusados de responsabilidade na preparação e execução dos atentados de 11 de setembro em Nova York, Washington e Shanksville (Pensilvânia), que mataram 2.976 pessoas. O anuncio foi feito pelo Departamento de Defesa americano. Os acusados podem ser condenados à pena capital pela morte das 2.976 vítimas dos atentados.

Esta é a primeira vez que eles aparecem em público, depois de mais de três anos. Os cinco estavam sentados a certa distância uns dos outros, sem algemas nas mãos, vestidos com uniformes brancos e alguns deles com um pequeno chapéu muçulmano. Khaled Sheikh Mohamed apresenta uma longa barba.

O presidente americano, Barack Obama, desejava um julgamento em Manhattan, perto das Torres Gêmeas atacadas. Mas a ideia foi barrada pela oposição republicana no Congresso, que bloqueou a transferência de acusados de terrorismo ao território americano.

Os representantes das famílias presentes na base naval americana em Cuba foram selecionados por sorteio para acompanhar o julgamento neste sábado. As demais famílias poderão assistir a audiência em telões instalados em quatro bases militares em território americano. “Não estou impaciente para tirar a vida de alguém, mas (os atentados) foram a coisa mais horrível, mais asquerosa, mais odiosa que jamais imaginei”, disse Cliff Russell, que perdeu seu irmão, um bombeiro, na queda das Torres Gêmeas do World Trade Center em Nova York.

(Com AFP)

LEIA TAMBÉM:

11 de setembro, 10 anos depois

11 de setembro: como foi o dia que transformou os EUA?