Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Guaidó pede aos países aliados que usem ‘todas as cartas’ contra Maduro

Presidente-interino chama líder venezuelano de `sádico' e pedirá ajuda ao Grupo de Lima, na segunda-feira

Por Denise Chrispim Marin - Atualizado em 23 fev 2019, 23h28 - Publicado em 23 fev 2019, 23h21

Diante da violenta reação do regime de Nicolás Maduro ao ingresso da ajuda humanitária na Venezuela, o autoproclamado presidente interino do país, Juan Guaidó, que a comunidade internacional deve considerar o uso de “todas as cartas” contra Caracas. Guaidó anunciou sua presença a reunião do Grupo de Lima, em Bogotá, na segunda-feira, 25, para discutir “posições diplomáticas”. Embora não integre esse fórum de pressão pela redemocratização da Venezuela, o governo dos Estados Unidos será representado por seu vice-presidente, Mike Pence.

Para o encontro de Bogotá, o Brasil enviou especialmente o  vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, e o chanceler Ernesto Araújo.

“Minha responsabilidade é encontrar uma saída e conseguir o ingresso dessa ajuda. Vamos buscar os caminhos”, afirmou Guaidó em Cúcuta, do lado colombiano da fronteira com a Venezuela.

Os confrontos entre manifestantes pró-ajuda e tropas da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) resultaram nas mortes de nove mortos – cinco na divisa com a Colômbia e quatro na fronteira com o Brasil. De acordo com o governo colombiano, 285 feridos foram atendidos em hospitais locais. Na região de fronteira com o Brasil, 25 pessoas sofreram ferimentos, segundo a prefeitura de Santa Helena do Uairén. Dessas 16 estão em tratamento no Hospital Geral de Roraima, em Boa Vista.

Publicidade

Guaidó qualificou Nicolás Maduro como um governante “sádico”, capaz de ordenar a queima de alimentos necessários para a população de seu país e agressões militares contra seu povo. Novamente, fez um apelo para os militares de seu país abandonarem o apoio ao regime e passarem para o lado da oposição e da Constituição. Desde a manhã deste sábado, 60 desertaram, passando para o lado colombiano da fronteira.

“Hoje foi vista a pior cara do regime. O mundo viu, em minutos e horas, a pior cara da ditadura venezuelana. Viram também que não existe liberdade na Venezuela. Queimaram comida necessária. Por Deus!”, afirmou Guaidó. “Agora, militares das forças armadas, o pronunciamento deve ser em bloco. Os senhores das forças armadas não devem lealdade a um homem que queima comida na frente de um povo faminto, que queima remédios diante de um povo enfermo.”

Indignado, Guaidó salientou o ataque de militares contra indígenas da  comunidade indígena de Kumarakapai, a cerca de 80 quilômetros de Pacaraima (RR), como um “massacre”. “Miraflores tomou hoje o pior caminho. Por acão e por omissão. Por ação, grupos armados dispararam contra manifestantes. Massacraram nossos indígenas, os filhos de nossos ancestrais, um povo que exige de forma pacífica e constitucional”, declarou.

 

Publicidade