Clique e assine a partir de 9,90/mês

Guaidó nomeia aliada de Maria Corina como embaixadora no Brasil

María Teresa Belandria, especialista em Direito Econômico Internacional, deverá se instalar em Brasília, onde Maduro não tem embaixador

Por Da Redação - 5 fev 2019, 20h06

O autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, nomeou a advogada María Teresa Belandria como sua “embaixadora” no Brasil. Trata-se da coordenadora de Assuntos Internacionais do partido Vente Venezuela, liderado pela ex-deputada María Corina Machado, uma das principais figuras da oposição no país.

Especialista em direito econômico internacional, Belandria é professora da Universidade Central da Venezuela. Como parte de sua função no Vente Venezuelano, tornou-se conselheira de María Corina, cujo mandato de deputada foi cassado pelo regime de Nicolás Maduro em 2014.

Em seu perfil no Twitter, a professora se disse honrada pela indicação de seu nome, já aprovado pela Assembleia Nacional – a Casa, dominada pela oposição e presidida por Guaidó, funciona como Congresso do chamado governo interino.

“Um compromisso que assumo em defesa dos nossos interesses e da liberdade”, escreveu.

Continua após a publicidade

Guaidó já havia indicado, na semana passada, representantes diplomáticos para os Estados Unidos, Colômbia e Argentina, entre outros países da região que o apoiaram. Mas ainda não havia escolhido seu embaixador  para o Brasil. Hoje, além de Belandria, foram indicados David Olsen, para o Paraguai, e María Teresa Romero, para a Guatemala.

O presidente interino prometeu enviar representantes de sua confiança também para os 19 países da União Européia que o reconheceram como governante legítimo da Venezuela.

No caso do Brasil, Belandria deverá ter uma amplitude maior de ação porque o regime de Nicolás Maduro não tem embaixador em Brasília desde dezembro de 2017, quando entrou em choque com o governo de Michel Temer.

A embaixada venezuelana está aberta, mas dificilmente Belandria poderá despachar de lá enquanto Maduro estiver no poder. Em Caracas, tampouco há embaixador. A representação brasileira é comandada pelo encarregado de negócios.

Publicidade