Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Guaidó determina início do envio da ajuda a partir da Colômbia

Dez caminhões estão a caminho da fronteira entre a cidade colombiana de Cúcuta e a venezuelana Ureña neste momento

O presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, determinou neste sábado, 23, o início do transporte dos alimentos e remédios da ajuda humanitária internacional pela fronteira de Cúcuta, na Colômbia, para seu país. Houve atraso de 5h30 no anúncio. Ao lado dos presidentes da Colômbia, Ivan Duque, e do Chile, Sebastián Piñera, Guaidó responsabilizou o “usurpador” Nicolás Maduro, por qualquer incidente e caso de violência que venha acontecer no cruzamento da fronteira e no trajeto posterior.

“Aqui, deixo muito clara a intencão pacífica e humanitária, que busca salvar vidas. este é um chamado pacífico, mas muito firme”, afirmou. “Neste momento, a responsabilidade absoluta é do usurpador”, completou Guaidó, diante dos 10 caminhões carregados.

Guaidó convocara para este sábado o ingresso da ajuda humanitária internacional. Trata-se de um duelo claro entre a oposição e o governo de Nicolás Maduro, que considera a entrega de alimentos e remédios como um pretexto para a invasão militar dos Estados Unidos a seu país. As fronteiras continuam fechadas por ordem de Maduro. Ainda assim, os dez caminhões seguiram para a Ponto Internacional Simón Bolívar, que luga as cidades de Cúcuta, na Colômbia, a Ureña, na Venezuela.

A tendência é de os caminhões não serem autorizados a passar para o lado venezuelano, onde o bloqueio é feito por um caminhão-pipa e por contêineres. Nesse caso, eles ficarão sobre a ponte, em fila, à espera da abertura – uma imagem que, certamente, correrá o mundo com mensagem negativa para o governo de Maduro.

O presidente da Colômbia, Ivan Duque, afirmou que impedir o acesso da ajuda é um “atentado contra os direitos humanos e poderá se constituir crime de lesa humanidade”. “É a negacão às condicões mínimas de vida para os venezuelanos”, insistiu.

Duque também sublinhou o caráter “pacífico e humanitário” dessa iniciativa e, como Guaidó, responsabilizou o “usurpador Nicolás Maduro por qualquer ato de violência.

Guaidó e Duque fizeram um novo chamado para os militares venezuelanos “passarem para o lado correto da história”, ao permitirem o ingresso da ajuda humanitária. O presidente interino reforçou sua oferta de anistia aos militares que abandonarem o apoio a Maduro, como fizeram os quatro que desertaram nesta manhã na fronteira com a Colômbia. “Bem-vindos ao lado correto da história e de respeito à nossa Constituição”, afirmou Guaidó.