Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Grupos armados’ por trás do massacre de Houla (investigação oficial síria)

O massacre de Houla do dia 25 de maio no centro da Síria foi cometido por “grupos armados”, segundo os resultados preliminares da investigação realizada pelas autoridades sírias, informou nesta quinta-feira o general Kassem Jamal Sleimane, chefe da comissão de investigação Justiça-Exército.

“Grupos armados assassinaram famílias pacíficas”, anunciou Sleimane, durante uma coletiva de imprensa, afirmando que essas famílias “haviam recusado a se colocar contra o governo e não concordavam com os grupos armados”, referindo-se à oposição armada que combate as tropas do governo.

Ele afirmou que “entre 600 e 800 homens armados, (…) vindos de regiões vizinhas de Houla, começaram a atacar a região e as tropas governamentais”.

O general ressaltou que em momento algum o Exército entrou em Taldo, localidade onde foi assassinada a maior parte das 108 vítimas, entre elas cerca de 50 crianças, segundo a ONU.

“O local onde foi praticado o massacre é uma área onde há grupos armados (…) as tropas do governo não entraram nem antes nem depois”, acrescentou o investigador.

O massacre “não foi causado por bombardeios” do Exército regular, prosseguiu o chefe da comissão, afirmando que os corpos não tinham marcas (…) de queimaduras”.

Um alto funcionário das Nações Unidas declarou na terça-feira que existia uma “forte suspeita” do envolvimento dos “shabbiha”, milicianos pró-regime, no massacre de Houla.