Clique e assine com até 92% de desconto

Grupo radical de esquerda toma promotor como refém em Istambul

Além do sequestro, país está às escuras por causa de um gigantesco apagão de causas ainda desconhecidas. Sequestradores estão em prédio cercado e polícia tenta negociar

Por Da Redação 31 mar 2015, 10h58

Um promotor foi tomado como refém por indivíduos de um grupo armado de extrema esquerda que invadiram nesta terça-feira o Palácio de Justiça Caglayan, em Istambul, informou o jornal Hürriyet. Segundo o diário, o refém é o promotor Mehmet Selim Kiraz, que investiga a morte de uma vítima das manifestações do parque Gezi pelo impacto de uma bomba de gás lacrimogêneo.

Uma imagem com um homem armado apontando para a cabeça do promotor foi divulgada nas redes sociais. Atrás dos dois pode ser vista uma bandeira do Partido-Frente de Libertação Popular Grupo Marxista Revolucionário. A imprensa turca disse que testemunhas escutaram disparos no edifício. A polícia enviou agentes de sua unidade de elite para cercar o edifício onde ocorre o sequestro. Istambul se encontra paralisada devido a um grande blecaute de energia de causas desconhecidas em todo o país, o que aumenta a confusão em torno do que está ocorrendo.

Leia também

Erdogan amplia poder da polícia e oposição teme aumento da repressão

Ex-Miss Turquia pode ir para a cadeia por criticar o presidente

Continua após a publicidade

Ministro turco diz que maternidade é a ‘carreira’ das mulheres

Um comunicado divulgado em um site próximo ao grupo armado diz que os sequestradores exigem que as autoridades cumpram com várias reivindicações. Entre elas, pedem uma confissão ao vivo dos policiais suspeitos de matar o menor durante as manifestações. Além disso, exigem que as autoridades assegurem uma saída segura dos sequestradores do Palácio da Justiça.

Fontes da promotoria afirmaram para o Hürriyet que estão sendo realizadas negociações entre o grupo de sequestradores e a polícia “através de um mediador que eles escolheram”. Berkan Elvan, de 14 anos, morreu após ser atingido por uma bomba de gás lacrimogêneo após permanecer nove meses em coma. O menino foi atingido na cabeça em junho de 2013 quando ia comprar pão, e morreu em março de 2014, o que gerou uma onda de indignação na Turquia. O promotor Kiraz assumiu a investigação do caso há seis meses.

Apagão – A Turquia está paralisada nesta terça por um blecaute em massa de causas desconhecidas, que deixou completamente sem eletricidade a maioria das províncias do país e cidades como Istambul e Ancara. “Estamos investigando todas as possibilidades, inclusive a de terrorismo”, disse o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu. Segundo o governo, pode ter havido um problema técnico no sistema da companhia turca de distribuição de eletricidade. O corte de energia mantém paralisados bondes e metrôs em Istambul e outras cidades, e afeta também hospitais e fábricas, entre outros. Um gabinete de crise já está reunido no Ministério de Energia para tratar o incidente.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade