Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Grupo petroleiro italiano ENI assina acordo com rebeldes líbios

Por Damien Meyer 29 ago 2011, 14h48

O grupo petroleiro italiano ENI assinou nesta segunda-feira um acordo com o Conselho Nacional de Transição (CNT), órgão político dos rebeldes líbios, com o objetivo de retomar suas atividades neste país e fornecer hidrocarbonetos à população líbia, anunciou a entidade.

A ENI adiou para esta segunda-feira a assinatura do acordo que previa fechar na quinta-feira passada em Milão (norte da Itália) com o número dois da rebelião líbia, Mahmud Jibril.

O acordo foi assinado em Benghazi e deverá reforçar “a cooperação na Líbia entre a ENI e o CNT”, indica o comunicado divulgado pelo grupo petroleiro.

Segundo os termos do acordo, a ENI e o CNT se comprometem a criar as condições para uma retomada completa e rápida das atividades da ENI neste país e a fazer todo o possível para lançar o gasoduto de Greenstream, que une Líbia e Itália, disse a empresa.

A ENI ajudará o CNT a avaliar o estado das infraestruturas energéticas com o fim de definir as intervenções necessárias para empreender novamente a produção.

O grupo italiano se comprometeu a fornecer produtos petrolíferos refinados ao CNT de modo a contribuir com as necessidades urgentes da população líbia.

Continua após a publicidade

A empresa italiana está presente na Líbia há 60 anos e era até o início da revolta, em meados de fevereiro, o maior produtor estrangeiro de petróleo e gás na Líbia.

O grupo petroleiro italiano ENI espera retomar rapidamente suas atividades na Líbia, ainda que a grave situação deste país impeça a reativação da produção de petróleo nos próximos 6 a 18 meses, explicou na quinta-feira o diretor-executivo da empresa, Paolo Scaroni.

O líder da ENI indicou que as jazidas de Wafa, no sul do país, não deixaram de funcionar pelo conflito.

“Agora encontramos uma solução para fornecer gasolina e gás a Benghazi em troca de que no futuro nos paguem com petróleo”, disse.

A ENI trabalha para colocar em funcionamento as jazidas de Cirenaica.

Com exceção das jazidas de gás que abastecem as centrais elétricas locais, a ENI suspendeu todas as suas atividades na Líbia e sua produção é de cerca 50 mil barris ao dia, contra 280 mil em tempos normais.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)