Clique e assine a partir de 9,90/mês

Grupo Jihad Islâmica anuncia cessar-fogo com Israel

Desde terça, quando o Exército israelense matou o líder do grupo, Baha Abu al Ata, ao menos 34 palestinos morreram em bombardeios na Faixa de Gaza

Por Da Redação - 14 nov 2019, 05h18

Após dois dias de combates, o grupo militante palestino Jihad Islâmica anunciou, na madrugada desta quinta-feira 14, um cessar-fogo com Israel. Desde terça, quando o Exército israelense matou o líder do grupo, Baha Abu al Ata, ao menos 34 palestinos morreram em bombardeios na Faixa de Gaza.

O porta-voz da Jihad Ilsâmica, Musab al-Berim, declarou que o acordo, mediado pelo Egito, entrou em vigor às 5h30 no horário local. 

Ao longo dos combates, escolas, universidades e várias instituições públicas tiveram que fechar suas portas em Gaza e em diversos pontos de Israel, sobretudo nas localidades situadas a um raio de 40 quilômetros da área palestina. Na cidade israelense de Tel Aviv, a apenas 70 km de Gaza, várias instituições publicas e empresas também se encontram fechadas.

Em Gaza, a vida estava paralisada, e os quase dois milhões de habitantes vivem ao ritmo dos bombardeios. A Faixa de Gaza foi cenário de três guerras violentas contra Israel nos últimos 11 anos e é objeto de um severo bloqueio israelense por terra, mar e ar desde 2007, gerando crises de abastecimento de energia elétrica e um índice de desemprego elevado.

Continua após a publicidade

O grupo terrorista Hamas controla a região, mas não é o único presente no território. Entre outras organizações opositoras de Israel, está a Jihad Islâmica, que tinha como uma de suas lideranças Abu Ata, de 41 anos, que ingressara no movimento nos anos 1990 e era comandante do grupo no norte de Gaza.

Netanyahu, ao anunciar a morte de Abu Ata, disse que o palestino “era responsável por vários ataques terroristas, disparos de foguetes contra Israel nos últimos meses” e que tinha como intenção a realização de um ataque contra Israel em um futuro próximo para sabotar a trégua com o Hamas.

Hamas e Israel protagonizaram os três confrontos armados na Faixa de Gaza desde 2008. Mas as partes chegaram a um acordo de cessar-fogo em maio deste ano após a mediação da ONU, Egito e Catar.

Apesar de o Exército israelense atribuir com frequência todos os ataques procedentes da Faixa de Gaza ao Hamas, já que o movimento islamita governa o território, desta vez ainda não atacou alvos do Hamas.

Continua após a publicidade

(Com AFP)

 

Publicidade