Clique e assine a partir de 9,90/mês

Grupo de argentinas reúne filhos de repressores da ditadura

Liliana Furió, integrante do Histórias Desobedientes, diz esperar que brasileiros também se mobilizem para denunciar seus pais genocidas

Por Johanna Nublat - 22 out 2017, 07h00

A documentarista argentina Liliana Furió, de 54 anos, descobriu sobre o envolvimento do próprio pai na violenta repressão da ditadura argentina quando já era adulta. Se afastou por uns meses de Paulino Furió, mas voltou para ajudá-lo na velhice.

Paulino, de 84 anos, cumpre prisão domiciliar perpétua e já recebeu três sentenças por crimes contra a humanidade. Outros casos ainda irão a julgamento.

“É muito difícil assumir os crimes cometidos pelo próprio pai”, diz Liliana em relato publicado na edição de VEJA desta semana.

Apesar da dor envolvida, Liliana se juntou a outras duas filhas de repressores da ditadura para formar o coletivo Histórias Desobedientes, que agrupou cinquenta pessoas só no primeiro mês de existência. O objetivo é reivindicar memória, verdade e justiça para os 30.000 desaparecidos na ditadura militar do país (1976-1983).

“Em toda a América Latina, houve a mesma luta horrível, o mesmo extermínio, e isso inclui o Brasil. O único país em que foi feita a Justiça foi a Argentina“, diz Liliana. “Já apareceram outros companheiros filhos de genocidas no Chile e no Peru. Esperamos que, no Brasil também, alguns filhos que sabem que seus pais tomaram parte nesse horror possam levantar a voz para denunciá-los.”

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Continua após a publicidade
Publicidade