Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Grécia se prepara para receber papa em Lesbos

O pontífice desembarcará na ilha na manhã do próximo sábado, dia 16, para expressar "proximidade e solidariedade" com refugiados

As autoridades gregas preparam um forte esquema de segurança para a chegada do papa Francisco à ilha de Lesbos. O pontífice desembarcará na ilha na manhã do próximo sábado, dia 16, para se encontrar com refugiados e expressar sua “proximidade e solidariedade” com aqueles que fogem de seus países em conflito e com o povo da Grécia “tão generoso no acolhimento”.

Segundo a emissora pública ERT, o papa será recebido pelo primeiro-ministro, Alexis Tsipras, e voltará a Roma às 15h (7h em Brasília), embora sua agenda de compromissos ainda não tenha sido divulgada. Durante a viagem, ele estará acompanhado do patriarca ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, o que também dará a visita um caráter ecumênico.

Leia mais:

Refugiados ameaçam se matar se forem expulsos da Grécia

Funcionários do alto escalão da Polícia grega já viajaram à cidade de Mitilene e estão em contato próximo com os responsáveis pela segurança do papa e as autoridades locais que planejam a segurança.

Segundo a ERT, Francisco não usará o ‘papamóvel’, e fará seus deslocamentos com as demais autoridades religiosas.

O papa Francisco pretende destacar o dilema dos imigrantes que fogem da miséria e da guerra e que chegam às ilhas do Mar Egeu oriental após uma árdua viagem. “Peço, por favor, que me acompanhem com a oração, invocando a luz e a força do Espírito Santo e a materna intercessão da Virgem Maria”, disse Francisco.

Conforme dados oficiais, mais de 4.000 refugiados estão no Centro de Detenção de Moria e no Acampamento de Kara Tepe, sendo que mais de 1.000 são crianças, muitas desacompanhadas, e cujas condições foram denunciadas por organizações humanitárias.

Só nos primeiros três meses deste ano, 375 pessoas morreram na tentativa de atravessar o Egeu, segundo dados da Organização Internacional de Migrações (OIM), um número muito superior ao do mesmo período de 2015, quando 31 faleceram.

(Com EFE)