Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Grécia começa a multar maiores de 60 anos não vacinados contra Covid

Medida se dá em meio a uma escalada no número de casos e aumento de pressão sobre sistema de saúde; Multa será de 100 euros por cada mês, segundo governo

Por Da Redação 17 jan 2022, 10h10

Cerca de 300.000 gregos com mais de 60 anos serão obrigados a pagar uma multa de 50 euros por não terem se vacinado, já que venceu nesta segunda-feira, 17, o prazo dado pelo governo da Grécia em novembro para que este grupo de idade fosse imunizado contra o coronavírus.

A multa será de 50 euros para janeiro, já que a medida entrou em vigor durante a metade do mês. A partir de fevereiro, no entanto, maiores de 60 anos que não forem vacinados terão que pagar uma multa de 100 euros por cada mês que não forem a um posto de vacinação.

As multas serão impostas pela administração fiscal e o dinheiro será destinado a uma conta especial de apoio à saúde pública.

A medida foi anunciada em 30 de novembro pelo primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis em meio a uma escalada no número de casos e aumento de pressão sobre o sistema de saúde. 

Segundo o conservador, a decisão foi tomada já que a maior parte dos hospitalizados pela Covid-19 é formada por pessoas não vacinadas com mais de 60 anos. Quando a medida foi anunciada, 17% dos gregos com mais de 60 anos ainda estavam sem o imunizante, totalizando cerca de 520.000 pessoas.

Continua após a publicidade

Atualmente, o número está em 10%, o equivalente a 300.000 gregos.

No final de dezembro, em meio registro de recorde de casos em 24 horas, o Ministério da Saúde já havia anunciado uma série de restrições, incluindo ampliação da forma remota de trabalho, e redução de capacidade de eventos esportivos. Estabelecimentos voltados para o entretenimento também começaram a fechar as portas mais cedo, à meia-noite.

Agora, em um complemento à decisão, entra em vigor em fevereiro uma medida que faz com que o passaporte sanitário grego expire em sete meses, ao contrário dos nove indicados no passaporte sanitário europeu, caso o cidadão não tome uma dose de reforço da vacina.

A norma, que até agora era aplicada apenas a maiores de 60 anos, tem objetivo de reforçar a imunização de toda a população, já que se aplica a todos os maiores de 18 anos.

A taxa de vacinação entre os gregos permanece abaixo da média europeia, com 67% com o esquema vacinal completo e 40% com dose de reforço.

Atualmente, cerca de 95% dos casos no país são relativos à variante ômicron e, ao todo, o país soma 1,6 milhões de casos, incluindo 21.984 mortes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês