Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governos latino-americanos exortam Maduro a convocar eleições

Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Paraguai, Peru e Uruguai assinaram comunicado contra mortos em manifestações

Mais de uma dezena de governos latino-americanos instaram o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, a convocar eleições para resolver a crise no país, onde protestos deixaram ao menos cinco mortos e dezenas de feridos e detidos até o momento.

Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Paraguai, Peru e Uruguai assinaram um comunicado, na segunda-feira, para lamentar os mortos da onda de manifestações antigoverno ocorridas neste mês na nação caribenha, abalada por uma grave crise econômica e social.

“Exortamos o governo da República Bolivariana de Venezuela a definir rapidamente as datas para dar cumprimento a um cronograma eleitoral que permita uma pronta solução à grave crise que a Venezuela vive e que preocupa a região”, diz o comunicado divulgado por vários governos latino-americanos.

Os países também pediram ao governo e à oposição da Venezuela que mantenham a paz na quarta-feira, quando as duas forças sairão às ruas em um ambiente de alta tensão depois de meses de escassez aguda de alimentos e remédios, uma inflação descontrolada e uma violência política crescente.

“Fazemos um apelo ao governo (da Venezuela) para que garanta o direito à manifestação pacífica, tal como consagrado na Constituição… Da mesma forma, fazemos um apelo à oposição para que exerça seu direito com responsabilidade”, acrescentou o comunicado.

Os opositores acusam Maduro de ser “um ditador” que controla os tribunais e que usurpou o poder do legislativo para impor uma agenda socialista que está levando o país possuidor das maiores reservas mundiais de petróleo à ruína.

Maduro, cuja popularidade vem despencando desde que assumiu o poder em 2014, afirma que seus adversários são “traidores” que buscam uma intervenção militar estrangeira, e atribui a culpa pela profunda recessão a uma “guerra econômica” promovida pelos Estados Unidos contra sua autoproclamada revolução bolivariana.

Embora a pressão internacional esteja aumentando, o sucessor do falecido Hugo Chávez ainda conta com o apoio de vários aliados no Caribe, além de Cuba, Equador e Bolívia, que não aceitam que a Venezuela seja punida na Organização de Estados Americanos (OEA) por não obedecer a Carta Democrática da entidade.

(com agência Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Qual a diferença farão eleições se as urnas eletrônicas são feitas na veneZUEIRA (Smartmatic)?

    Curtir

  2. Tio Do lanche

    É aí que que o Brasil iria chegar se a esquerda continuasse no poder… Não existe 1 pais no mundo socialista em que o povo não esteja em ditadura ou passando fome ou os 2 juntos

    Curtir

  3. Eleição para ser fraudada? Esse bandido só sairá do poder pelas vias militares, igual fizeram com Kadafi.

    Curtir

  4. José Carlos Lopes de Oliveira

    Eleições com essas urnas eletrônicas? Qua Qua Ra Qua Qua. Vai ser outra eleição dilmesca. Será que vão contratar o Toffoli para divulgar os resultados também?

    Curtir

  5. A esquerdalha implodiu na América Latina… assim como acontece em todo o mundo…

    Curtir

  6. E pensar que estávamos seguindo o mesmo caminho, e pior, debaixo das asas desse idiota

    Curtir

  7. Tadeu Passarelli

    urnas eletronicas fraudadas

    Curtir

  8. Tadeu Passarelli

    ..e que cara de vgabundo

    Curtir