Clique e assine a partir de 9,90/mês

Governo venezuelano ocupa instalações da Goodyear após fechamento

Alegando que a empresa foi abandonada pelos representantes, ministério dispôs a formação de uma "junta administrativa" e ordenou a retomada das atividades

Por AFP - 29 Dec 2018, 17h16

O governo venezuelano ordenou a ocupação das instalações da Goodyear, depois que, no último dia 10, a fabricante americana de pneus encerrou suas operações no país, segundo uma resolução do Ministério do Trabalho divulgada neste sábado.

Citando uma “violação dos direitos trabalhistas” de seus 1.160 funcionários, o ministério determinou a “ocupação imediata da C.A. Goodyear da Venezuela”, assinala o texto, publicado no diário oficial.

A fábrica da empresa na zona industrial de Valencia já havia sido ocupada pelas autoridades, um dia após o seu fechamento.

Em sua resolução, o ministério também ordenou a retomada das atividades, e, alegando que a empresa foi abandonada por seus representantes, dispôs a formação de uma “junta administrativa especial” com delegados dos empregados e do sindicato do setor.

Continua após a publicidade

Em comunicado deixado na entrada da fábrica, a Goodyear informa que foi “forçada a encerrar suas operações”, o que o governo denunciou como um ato de “sabotagem e boicote”, solicitando que a Justiça investigue os representantes da empresa.

O governo incluiu a decisão da Goodyear em uma “escalada de ataques” ao plano econômico lançado pelo presidente Nicolás Maduro em agosto, que não conseguiu conter uma crise caracterizada pela escassez de insumos e produtos básicos e uma inflação que o FMI projeta em 10.000.000% para 2019.

A falta de peças de reposição e pneus, combinada com os preços elevados, fez com que 90% da fronta de transporte público ficasse parada.

Com o argumento de estar respondendo a boicotes, o governo venezuelano já havia ocupado instalações de outras empresas internacionais.

Publicidade