Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Governo interino de Israel promete impedir retorno de Netanyahu

Após renúncia de primeiro-ministro, que levará a novas eleições, políticos israelenses descartam apoio ao ex-premiê acusado de corrupção

Por Da Redação 21 jun 2022, 12h11

Dois membros do governo de coalizão de Israel prometeram nesta terça-feira, 21, evitar a volta ao poder do ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Após colapso do governo, o país se prepara para a quinta eleição em três anos.

+ Governo de Israel colapsa novamente e país terá 5ª eleição em três anos

Apesar de serem membros do mesmo partido, o Likud, o ministro das Finanças, Avigdor Lieberman, e o ministro da Justiça israelense, Gideon Saar, descartaram a possibilidade de unir forças com o colega Netanyahu.

O político comandou o país por 12 anos até ser deposto em 2021, denunciado por corrupção, fraude e abuso de poder.

“Eu não vou trazer Bibi (Netanyahu) de volta. Todos os membros do partido estão comigo. Ninguém vai sucumbir aos incentivos”, disse Saar à Rádio do Exército.

Lieberman disse em uma conferência que os legisladores da coalizão poderiam criar um projeto de lei que impediria qualquer pessoa sob acusação criminal ser eleita no país.

Mas um porta-voz do Parlamento, que será dissolvido nas próximas semanas após a deserção de dois membros da coalizão governista, disse que a ação era tecnicamente inviável.

Continua após a publicidade

Enfraquecido por disputas internas que estavam impedindo seu governo de aprovar medidas, o primeiro-ministro de IsraelNaftali Bennett, renunciou ao cargo na segunda-feira 20, após um ano no poder.

Com a saída de Bennett, o ministro das Relações Exteriores, Yair Lapid, assumirá a função interinamente até as eleições para eleger um novo chefe de governo, o que deverá acontecer em outubro, segundo informações de autoridades.

As novas eleições podem permitir o retorno ao poder de Netanyahu, ex-premiê e atual líder da oposição, que foi retirado do cargo após a formação do atual governo, uma coalizão de políticos de extrema direita, liberais e árabes.

+ Até que durou muito: Netanyahu forçou queda do governo e nova eleição

“Algo ótimo aconteceu aqui”, declarou Netanyahu na segunda-feira, acrescentando que seu partido conservador Likud lideraria o próximo governo. Apesar de estar sendo julgado por corrupção em três processos diferentes, a legenda do ex-premiê está liderando as pesquisas de opinião.

A rádio de Tel Aviv revelou nesta terça-feira, 21, que Netanyahu e prováveis ​​aliados judeus de direita ou ultraortodoxos poderiam comandar 59 assentos no parlamento na próxima votação, contra 55 previstos para os partidos da atual coalizão.

Outros levantamentos sugerem que o Likud deve conquistar o maior número de assentos no próximo Parlamento, mas podem não ser suficientes para atingir uma maioria parlamentar. Alguns partidos podem concordar em trabalhar com o Likud se Netanyahu deixar de ser líder do partido.

O eventual mapa político pode mudar, no entanto, se os partidos menores desaparecerem ou unirem forças – ou se Netanyahu ou Lapid, cujo partido centrista Yesh Atid está em segundo lugar, conseguirem alcançar parceiros menos prováveis.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)