Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Governo e policiais amotinados não alcançam acordo na Bolívia

O governo da Bolívia e policiais em conflito não conseguiram alcançar nenhum acordo após várias horas de negociações, razão pela qual prossegue um motim de agentes de baixa patente declarado na última quinta-feira, confirmaram à imprensa porta-vozes dos militares.

No entanto, o governo anunciou que as negociações serão retomadas neste sábado para seguir tentando alcançar um acordo.

“O governo não quer ouvir sua polícia, não que nos dar um bom salário, uma vida melhor”, declarou Guadalupe Cárdenas, líder do sindicato de esposas de policiais à rede privada Erbol.

Informou que no decorrer da manhã os policiais em conflito e suas esposas se reunirão para acordar “novas estratégias de pressão para que o governo possa nos ouvir”.

As partes dialogaram durante quase sete horas sem encontrar pontos de acordo, embora tivessem como base a aceitação das autoridades à resposta de elevar o salário mínimo dos agentes a 2.000 bolivianos (cerca de 287 dólares), como exigem os policiais.

As demandas também incluem a aposentadoria com 100% de seus salários, a anulação de uma lei que os proíbe de expressar opiniões públicas e a criação de uma Defensoria policial.

“Avançamos em torno dos quatro temas que levantaram. Em vários deles é preciso trabalhar em comissões técnicas. Fizemos o máximo esforço que pudemos como governo com propostas realistas”, disse em tom conciliador o ministro de Governo, Carlos Romero.

O governo convocou o diálogo depois de viver na sexta-feira um dia de violência, no qual os policiais amotinados atacaram e saquearam várias instalações policiais. Não houve feridos.

O motim policial se estendeu a mais de 20 unidades em todo o país e deixou desprotegidas as principais cidades, enquanto as instituições financeiras fecharam suas portas como medida de precaução diante de possíveis situações de insegurança.