Clique e assine a partir de 9,90/mês

Governo da França quer ampliar estado de emergência por mais 2 meses

Período cobrirá a Eurocopa e o Tour de France

Por Da Redação - 20 abr 2016, 08h39

O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, anunciou nesta quarta-feira que seu governo vai propor a ampliação, por mais dois meses, do estado de emergência no país a partir de 26 de maio, um período que cobrirá a Eurocopa e o Tour de France.

“O estado de emergência não pode ser permanente, mas devemos garantir plenamente a segurança dos grandes eventos”, disse à emissora France Info, ao se referir tanto ao torneio de futebol, que acontecerá entre 10 de junho e 10 de julho, como à competição de ciclismo, que será em julho. Valls ressaltou que “a Eurocopa [que será sediada no país entre os meses de junho e julho] deve acontecer com toda a segurança e, ao mesmo tempo, ser uma festa com estádios e ‘fanzones’ cheios”.

Na semana passada, Mohamed Abrini, um dos responsáveis pelos ataques terroristas de março em Bruxelas, confessou que planejava novas explosões na França durante a Eurocopa. A declaração foi feita durante depoimento de Abrini em uma prisão belga.

Leia mais:

Continua após a publicidade

Terrorista admite planos de atacar civis durante a Eurocopa

“A França está em guerra”, diz presidente Hollande

O chefe de governo francês afirmou que o titular de Interior, Bernard Cazeneuve, apresentará hoje no Conselho de Ministros a medida, que será depois passada ao Conselho de Estado, a máxima instância administrativa da França, e depois ao parlamento, para ser submetida à votação.

O estado de emergência, que reforça as medidas de segurança, foi decretado após os atentados jihadistas de meados de novembro em Paris, que deixaram 130 mortos e mais de 300 feridos, e expiraria no próximo dia 26 de maio, após ter sido prolongado duas vezes.

Continua após a publicidade

Suas ampliações anteriores foram criticadas por alguns órgãos como o Conselho da Europa, que considera que esse dispositivo teve efeitos concretos “relativamente limitados” em matéria de luta antiterrorista, mas restringiu “fortemente” o exercício das liberdades fundamentais.

(Com EFE)

Publicidade