Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo da Crimeia diz que assumirá controle militar da península nesta terça

Primeiro-ministro anuncia que pode adiantar ainda mais a data do referendo sobre o status político da região

Por Da Redação
4 mar 2014, 09h40

O primeiro-ministro da Crimeia, o separatista pró-Rússia Sergei Aksionov, declarou que a república autônoma planeja tomar nesta terça-feira o controle de todas as unidades militares ucranianas em seu território. “Achamos que a situação ficará normalizada ao longo do dia de hoje”, declarou Aksionov em entrevista coletiva.

Segundo o Aksionov, o governo da república autônoma vai propor aos chefe das unidades militares ucranianas que se ponham às ordens , explicando que, aqueles que não estiverem de acordo, poderão deixar livremente o território.

Leia também:

UE vira obstáculo a plano americano para deter Rússia

Rússia diz que só sai da Crimeia após “normalização da situação política”

Continua após a publicidade

Comandante da Marinha da Ucrânia passa para o lado russo

Operação militar russa é “declaração de guerra”, diz premiê da Ucrânia

Putin, sobre a Ucrânia: ‘Uso da força não está descartado’

O líder pró-russo também anunciou que pode adiantar ainda mais o referendo sobre a autonomia da península. Inicialmente a consulta estava marcada para o final de maio e depois foi adiantada para 30 de março. “Acho que o referendo (sobre a autonomia) vai acontecer antes de 30 de março. Hoje tomaremos a decisão e trataremos de conhecer a vontade do povo da Crimeia o mais rápido possível para atuar de acordo com ela”, disse Aksionov, cuja autoridade não é reconhecida pelo governo central da Ucrânia.

As autoridades da Crimeia, que já vinham criticando o governo provisório da Ucrânia, convocaram o referendo no dia 27 de fevereiro, logo após dezenas de homens armados de uma milícia pró-Rússia tomarem o prédio do Parlamento. Depois disso, o governo local passou a tentar assumir o controle das instituições locais e das unidades das Forças Armadas ucranianas estacionadas na península, ao mesmo tempo em que milhares de soldados russos chegavam à região, provocando um rompimento com Kiev.

Continua após a publicidade

Nesta terça-feira foi a vez de um porta-voz das autoridades pró-russas anunciarem que três unidades responsáveis por baterias de mísseis antiaéreos das Forças Armadas da Ucrânia se colocaram às ordens do governo da Crimeia.

“Mais de 700 soldados e oficiais declararam que estão dispostos a defender à população da Crimeia”, disse um porta-voz do governo autônomo à agência oficial russa RIA Novost’.

O funcionário acrescentou que as unidades de defesa antiaérea ucranianas que se subordinaram ao governo da Crimeia estão equipadas com mais de 20 baterias de mísseis antiaéreos Buk e mais de 30 sistemas de mísseis S-300.

(Com agência EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.