Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Governo brasileiro espionou diplomatas estrangeiros, diz jornal

Operações aconteceram entre 2003 e 2004. Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República confirmou ações e afirma que responsáveis por vazamentos serão processados

Por Da Redação 4 nov 2013, 06h48

O governo brasileiro espionou diplomatas de três países em suas respectivas embaixadas e residências, informa reportagem da edição desta segunda-feira do jornal Folha de S. Paulo, com base em relatório da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). O documento oficial da inteligência brasileira obtido pelo jornal detalha dez operações entre os anos de 2003 e 2004 e mostra que o governo monitorou funcionários de países como Irã e Rússia.

De acordo com o relatório, diplomatas russos envolvidos em negociações de equipamentos militares foram seguidos e fotografados durante suas viagens. Segundo a reportagem, o jornal confirmou as informações com fontes da inteligência e ex-funcionários da Abin, alguns dos quais participaram das ações citadas.

Leia também

Snowden publica manifesto em que justifica vazamentos da inteligência americana

As ações citadas pelo documento ocorreram no início do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na operação batizada de “Miucha”, em 2003, a Abin monitorou o cotidiano de três diplomatas russos, entre eles o ex-cônsul-geral no Rio de Janeiro, Anatoly Kashuba, e representantes da Rosoboronexport, agência estatal russa de exportação de equipamentos bélicos. A inteligência brasileira suspeitava que os russos pudessem estar espionando o país.

Continua após a publicidade

Em outra operação, chamada de “Xá”, a Abin seguiu a rotina de diplomatas iranianos, inclusive do ex-embaixador do Irã em Cuba, Seyed Davood Mohseni Salehi Monfared, que esteve no Brasil entre os dias 9 e 14 de abril de 2004.

Leia também

​John Kerry admite: espionagem americana foi longe demais

Em nota divulgada nesta segunda-feira, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) confirma a existência das operações de contrainteligência desenvolvidas pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência) no período de 2003 e 2004, e reitera que elas “obedeceram à legislação brasileira de proteção dos interesses nacionais”. O GSI afirma também que “o vazamento de relatórios classificados como secretos constitui crime e que os responsáveis serão processados na forma da lei”.

Histórico – Em julho, as denúncias de espionagem da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) atingiram o governo brasileiro. Segundo documentos vazados pelo ex-analista da NSA Edward Snowden, os serviços de inteligência dos Estados Unidos monitoraram funcionários do governo brasileiro, incluindo a própria presidente Dilma Rousseff, e empresas, como a Petrobras.

Continua após a publicidade

Publicidade