Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Governo argentino agradece doação da Coreia do Sul com foto de Kim Jong-un

Ministério das Relações Exteriores admitiu a troca da imagem, mas atribuiu o equívoco ao sistema do Twitter

Por Julia Braun Atualizado em 19 ago 2020, 13h03 - Publicado em 19 ago 2020, 12h57

O Ministério da Relações Exteriores da Argentina cometeu uma gafe em sua página oficial no Twitter. Em uma postagem de agradecimento à Coreia do Sul pela doação de máscaras para proteção contra o coronavírus, a chancelaria usou uma foto do ditador da Coreia do Norte e desafeto de Seul, Kim Jong-un.

“O governo argentino agradece à República da Coreia por doar 200.000 máscaras de proteção KF94 como parte da cooperação bilateral entre os dois países para combater a pandemia Covid-19”, diz o tuíte, acompanhado pela foto do ditador norte-coreano.

ASSINE VEJA

A encruzilhada econômica de Bolsonaro Na edição da semana: os riscos da estratégia de gastar muito para impulsionar a economia. E mais: pesquisa exclusiva revela que o brasileiro é, sim, racista
Clique e Assine

Após o erro, o Ministério apagou a postagem original e escreveu outra mensagem com as mesmas informações, mas com uma imagem da sede do Palácio de San Martín, onde fica a sede da chancelaria argentina em Buenos Aires, e um link que leva à nota oficial do governo.

Em seguida, o governo publicou uma terceira postagem sobre o assunto, na qual admitia a troca, mas atribuía o equívoco ao sistema do Twitter. “Hoje foi publicado um tuíte com um link para a nota no site da Chancelaria que o Twitter ilustrou com imagens que não vieram do sistema do Ministério. O fato está sob investigação”, diz a mensagem.

Continua após a publicidade

 

Embora uma gafe desta magnitude seja sempre entendida como grave, neste caso o erro foi ainda mais constrangedor, já que a Coreia do Sul e do Norte estão tecnicamente em guerra desde 1950. Os dois vizinhos nunca concluíram um tratado de paz e apenas assinaram um armistício em 1953. A tensão entre Kim Jong-un e o líder sul-coreano, Moon Jae-in, é constante na região, apesar das tentativas de se chegar a um acordo.

Covid-19 em Seul

Museus, bares, boates e karaokês foram fechados em Seul e nos arredores da capital sul-coreana nesta quarta-feira, 19, depois que o número de contágios pelo coronavírus voltou a crescer e atingiu seu pico mais alto em cinco meses. Somente nesta quarta, o país registrou 297 novas infecções – a maior taxa diária desde março.

Das 297 infecções registradas no país nesta quarta, 252 estão na área metropolitana de Seul. A Coreia do Sul é considerada um caso de sucesso no combate ao coronavírus. O aumento de novos casos está ligado, principalmente, a uma igreja presbiteriana na capital.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)