Clique e assine com até 92% de desconto

Governo argentino acusa espião de contrabando

Tese governista insinua que Antonio 'Jaime' Stiuso estaria por trás da misteriosa morte do promotor Alberto Nisman

Por Da Redação 24 fev 2015, 18h17

O homem que o governo Cristina Kirchner tenta envolver na morte do promotor Alberto Nisman agora está sendo acusado de contrabando e sonegação fiscal. Em entrevista coletiva nesta terça-feira, o secretário de Inteligência, Oscar Parrilli, apresentou uma denúncia contra o espião Antonio ‘Jaime’ Stiuso e outros dois agentes. “Eles realizaram 67 importações totalizando 94.000 quilos de mercadoria entre 2013 e 2014, que qualificamos como contrabando, porque não foram destinadas à Secretaria de Inteligência”, disse.

Demitido em dezembro por Cristina Kirchner, Stiuso havia trabalhado em estreita colaboração com Nisman, que apresentou uma acusação contra a presidente dias antes de ser encontrado morto no apartamento em que morava, em Buenos Aires. Logo depois da morte, Cristina tratou de construir uma tese e encontrar um culpado para o crime. A insinuação governista é de que Stiuso estaria por trás do misterioso caso. E o fato de ele ter sido demitido há pouco tempo é usado para construir a narrativa de que teria motivos para se vingar da presidente.

Leia também:

Espião é chamado a depor no caso da morte de Nisman

Caso Nisman: “Argentina fica mais escura”, diz deputado opositor

Continua após a publicidade

Documentos confirmam que Nisman pensou em pedir prisão de Cristina

Parrilli, homem de confiança da presidente Cristina Kirchner, assumiu o comando da Secretaria de Inteligência em dezembro, quando foi destituída a cúpula da instituição, incluindo Stiuso, que era chefe de operações da SI.

Nesta segunda, Parrilli disse que o contrabando foi realizado por meio de empresas importadoras, “a maioria de Miami”, e que incluía material médico, equipamentos oftalmológicos e brinquedos eletrônicos, entre outros. Ele acrescentou que, de acordo com o relatório da Direção de Migração, a caminhonete preta utilizada por Stiuso para viajar da Argentina para o Uruguai na semana passada, após testemunhar pelo caso Nisman, pertence a uma das companhias supostamente envolvidas em contrabando.

A denúncia de Nisman aponta que Cristina e vários apoiadores acobertaram a participação do Irã em um atentado contra um centro judaico em Buenos Aires, em 1994, que deixou 85 mortos e 300 feridos. Depois da morte do procurador, Gerardo Pollicita analisou a denúncia e decidiu pelo indiciamento dos envolvidos, para dar continuidade à investigação.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade