Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Gordon Brown revela tensão com ‘The Sun’ durante mandato

Por Da Redação 11 jun 2012, 11h19

Londres, 11 jun (EFE).- Gordon Brown revelou nesta segunda-feira que enquanto foi primeiro-ministro do Reino Unido teve uma relação tensa com o jornal ‘The Sun’, de Rupert Murdoch, que acusou de difamá-lo e de publicar sem seu consentimento informação confidencial sobre a saúde de seu filho.

Brown, que governou de 2007 a 2010 como sucessor de Tony Blair, depôs à comissão Leveson, que investiga a relação entre políticos e a imprensa no caso das escutas, em que jornalistas grampeavam telefones para obter informações exclusivas.

O político trabalhista afirmou que nunca teve o apoio de Murdoch, cuja publicação ‘The Sun’, a de maior tiragem do Reino Unido, anunciou em 2009 que voltava a apoiar o Partido Conservador de David Cameron, após ter sido temporariamente partidário de Blair.

A relação de Brown com o ‘Sun’ foi especialmente difícil porque, segundo o político, o tablóide se empenhou em uma campanha pessoal para desprestigiá-lo, sobretudo em relação à guerra do Afeganistão.

Em um episódio, o ‘Sun’ publicou que Brown estava dormindo em um funeral de soldados britânicos – quando na realidade, segundo o político, ‘estava rezando’ – e insinuou que o destino dos militares não lhe importava.

Em seu depoimento, Brown alegou ainda que nunca deu seu consentimento para que o jornal sensacionalista publicasse em 2006 – quando era ministro da Economia – que seu filho James Fraser tinha sido diagnosticado com fibrose cística, ao contrário do que declarou à mesma comissão Rebekah Brooks, ex-diretora do tablóide e antiga braço direito de Murdoch.

O ex-chefe do governo explicou que o hospital escocês onde seu filho foi tratado, com poucos meses de idade, pediu desculpas pelo provável vazamento da informação, e criticou os métodos jornalísticos empregados pelo ‘Sun’ para obtê-la.

Em sua declaração, o político afirmou que a imprensa britânica, ‘quando é boa, pode ser a melhor do mundo’, mas que para melhorá-la é preciso incentivar o bom jornalismo, que não mistura ‘fatos e opinião’, e acabar com as más práticas.

Depois do trabalhista, o ministro da Economia, George Osborne, depõe hoje e o primeiro-ministro, David Cameron, se apresenta na quinta-feira à comissão presidida pelo juiz Leveson. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade