Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mourão avisa que Brasil não participaria de intervenção na Venezuela

Vice-presidente diz que, se Juan Guaidó for preso, país 'só pode protestar, não vai fazer mais nada além disso'

O presidente em exercício, general Hamilton Mourão, descartou a possibilidade de participação brasileira em uma eventual intervenção militar estrangeira na VenezuelaHoras antes, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarara que “todas as opções estão sobre a mesa”, ao referir-se ao país sul-americano governado por Nicolás Maduro.

Em ocasiões anteriores, o governo Trump sinalizara com a possibilidade de intervenção militar na Venezuela para derrubar o regime de Maduro. 

“O Brasil não participa de intervenção, não é da nossa politica externa intervir nos assuntos internos de outros países”, disse Mourão.

Mourão afirmou que o apoio político do Brasil diz respeito à decisão do líder opositor de fazer juramento como presidente interino e ao futuro do país. Caso seja necessário, o Brasil vai participar de um apoio econômico para “reconstrução” da Venezuela, completou Mourão.

A VEJA, o general Augusto Heleno já havia expressado em novembro passado o rechaço do governo Bolsonaro a essa alternativa. “É constitucional que o Brasil não aceita ingerência de países estrangeiros nos assuntos internos e também não fará ingerência nos assuntos internos de outros países. Então, é isso aí”, afirmou o atual ministro da Secretaria de Gabinete Institucional da Presidência.

O Brasil, os Estados Unidos e outros países reconheceram o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó como presidente interino do país vizinho. O presidente Jair Bolsonaro, em Davos, confirmou a decisão.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) e outros países do hemisfério também deram legitimidade a um governo de Guaipó, que atualmente preside a Assembleia Nacional. Nicolás Maduro, porém, continua no Palácio de Miraflores, com o apoio das Forças Armadas e da Guarda Nacional Bolivariana.

Na hipótese de prisão de Guaidó, como aconteceu em 2014 com o então líder oposicionista Leopoldo López, o presidente em exercício disse que o Brasil “só pode protestar, não vai fazer mais nada além disso”. A única ligação entre as Forças Armadas de Brasil e Venezuela, afirmou Mourão, é um contato institucional entre os ministros da Defesa dos dois países. 

A Venezuela foi palco nesta quarta-feira de manifestações em 23 Estados e na capital, Caracas, contra Nicolás Maduro, cuja eleição em maio passado foi considerada fraudulenta e ilegítima. A oposição e parte da comunidade internacional pressionam Maduro a renunciar, para que o país volte ao caminho democrático.

(Com Estadão Conteúdo)