Clique e assine a partir de 9,90/mês

Gata salva criança de ataque de cachorro nos EUA

Menino Jeremy, de 4 anos, foi mordido quando brincava perto de casa

Por Da Redação - 15 Maio 2014, 21h38

Os gatos também são os melhores amigos do homem. Uma família da Califórnia não tem dúvida disso, depois que uma gata salvou uma criança de 4 anos do ataque de um cão feroz. A ação foi registrada por câmeras de segurança na terça-feira e as imagens foram publicadas pelo pai do garoto no YouTube.

No vídeo, o menino brinca com uma bicicleta quando o cachorro se aproxima, avança e passa a mordê-lo. Segundos depois, a gata da família do garoto, chamada Tara, avançou e se jogou contra o cachorro, que acabou batendo em retirada. Tara ainda correu atrás do cão por alguns metros, antes de voltar para perto do menino Jeremy Triantafilo.

Leia mais:

Gato: o animal ideal do século XXI

Continua após a publicidade

A mãe de Jeremy, Erica, também correu ao encontro do filho, mas em seguida se afastou dele. Em resposta aos espectadores do vídeo, que questionaram sua atitude, ela disse que tentou garantir que o cachorro não voltaria para um novo ataque – mas não explicou o que foi fazer para defender o rebento. Ferido, o garoto precisou levar dez pontos na perna.

Em dois dias, o vídeo original foi assistido mais de 7 milhões de vezes no YouTube. A maioria dos comentários elogiava a atitude da gata. Outros usuários afirmaram que a ação de Tara mostrou ao mundo que o mito de que os gatos são traiçoeiros e pouco apegados aos donos é definitivamente uma besteira.

Segundo a rede americana ABC, o cão pertence a um vizinho, e aproveitou uma distração do dono, que retirava o carro da garagem, para escapar.

A mãe de Jeremy contou que Tara “adotou” a família cinco anos atrás quando apareceu na casa depois de segui-la por algumas quadras. Depois do nascimento de Jeremy, a gata não desgrudou mais do garoto. “Ela é minha heroína”, disse o menino à ABC.

Continua após a publicidade

O cachorro, que não tem raça definida, foi levado pelos donos para um abrigo municipal. Ele vai permanecer em observação por pelos menos dez dias. Se os veterinários comprovarem que o cão é mesmo violento, ele poderá ser sacrificado.

Leia também:

Âncora de jornal dá bronca em telespectadores ‘reclamões’

Publicidade