Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Ganhador de Prêmio Nobel é punido por comentários racistas

James Watson, de 90 anos de idade, baseia-se em testes de QI para concluir sobre diferença de inteligência entre brancos e negros

Por Da Redação - Atualizado em 14 jan 2019, 18h22 - Publicado em 14 jan 2019, 18h01

Laureado com o Prêmio Nobel de Medicina em 1962, o cientista americano James Watson, de 90 anos, foi destituído dos títulos honorários que recebeu do laboratório onde trabalhou por 25 anos depois de fazer declarações racistas em um documentário produzido pelo canal PBS.

No filme, Watson afirmou que, baseado em testes de QI, há evidências de que os genes causam diferenças na inteligência de pessoas brancas e negras. Nos anos 1950, em parceria com Francis Crick, Watson ajudou a descobrir a estrutura de “dupla-hélice” do DNA, com base no trabalho da química britânica Rosalind Franklin.

Por meio de nota enviada à CNN, o Laboratório de Cold Spring Harbor (CSHL), de Nova York, afirmou que os comentários do senhor de 90 anos são “repreensíveis”. Watson fora seu diretor entre 1968 e 1993.

O laboratório informou que “rejeita totalmente as opiniões pessoais imprudentes e insubstanciais que o Dr. James D. Watson expressou”. Acrescentou ainda que “condena o mau uso da ciência para justificar preconceito”.

Publicidade

Em 2007, Watson já havia dito ser “pessimista sobre as perspectivas da África” porque “todas nossas políticas sociais levam em conta que a inteligência (no continente) seja a mesma que a nossa, enquanto os testes dizem o contrário”. O cientista acrescentou na época que, apesar de esperar que todos fôssemos iguais, “as pessoas que têm de lidar com empregados negros acabam sabendo que isso não é verdade”.

Esses comentários levaram o CSHL a retirá-lo de suas funções administrativas, mas ele ainda mantinha seus títulos honorários até o momento. Ele se desculpou por tê-los feito.

No documentário American Masters: Decoding Watson, que foi ao ar no dia 2 de janeiro deste ano, ele provou que suas visões não tinham mudado. O caso de preconceito não é o único da carreira do cientista, permeada de polêmicas, segundo a CNN.

Em 1997, o jornal Sunday Telegraph mencionou uma citação de Watson de que as mulheres deveriam ser autorizadas a se submeter ao aborto por qualquer razão, por exemplo se tivesse sido encontrado um gene ligado a homossexualidade no feto.

Publicidade

Durante palestra em 2000, Watson sugeriu haver conexões entre o peso de uma pessoa e seu nível de ambição. Também relacionou a cor de pele às habilidades sexuais e, segundo testemunhas reportaram à Associated Press, acrescentou ser essa “a razão pela qual vocês se relacionam com latinas. Você nunca ouviu sobre uma amante inglesa. Somente sobre pacientes inglesas”, completou o cientista.

Publicidade