Clique e assine a partir de 8,90/mês

Furacão ‘extremamente perigoso’ se aproxima de Cancún, no México

Cerca de 41.000 turistas foram evacuados de hotéis na terça-feira para abrigos seguros, em novo golpe para principal destino turístico do país

Por Da Redação - Atualizado em 7 out 2020, 11h27 - Publicado em 7 out 2020, 11h19

Bares, restaurantes e todos os serviços não essenciais em Cancún foram fechados na noite de terça-feira 6 devido ao furacão Delta, que ainda representa perigo para a região apesar de ter diminuído sua intensidade. Já os turistas, muitos deles estrangeiros, foram levados a refúgios estabelecidos pelas empresas hoteleiras, enquanto a população local foi enviada a abrigos públicos.

O furacão Delta, que foi rebaixado para categoria 3 nesta quarta-feira, 7, tocou o solo mexicano nesta quarta na península de Yucatan e agora segue para o balneário de Cancún e para a ilha de Cozumel, segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos, que classificou a tempestade como “extremamente perigosa”. Às 6h00 (3 da manhã, em Brasília), o Delta registrava ventos de 195 km/h.

Segundo a Defesa Civil mexicana, não há mortes registradas pela passagem do furacão até o momento.

“Foi dada a instrução para mobilizar até 5.000 homens com todos os equipamentos necessários para proteger a população e, com sorte, o furacão Delta perderá força”, disse na terça-feira o presidente Andrés Manuel López Obrador em sua habitual coletiva matutina.

Turistas são retirados de hotel em Puerto Morelos, México. 06/10/2020 Elizabeth Ruiz/AFP

Cerca de 41.000 turistas foram evacuados de seus hotéis na terça-feira para refúgios nos balneários de Cancún, Puerto Morelos e Isla Mujeres, segundo Roberto Cintrón, presidente da associação hoteleira local. Destes, 85% são mexicanos e o restante estrangeiros, principalmente americanos.

“Estávamos com 35% de nossa capacidade. Para prevenir o contágio da Covid-19, nos refúgios foram tomadas as mesmas medidas que nos hotéis, como uso de álcool em gel e máscaras”, acrescentou Cintrón.

Em Cancún, o maior destino turístico do México, mais de 160 albergues foram habilitados.

Continua após a publicidade

ASSINE VEJA

O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
Clique e Assine

Segundo o último boletim do NHC, o furacão ainda pode voltar a se tornar uma tempestade de categoria 4 nos próximos dias.

Com deslocamento de 26km/h, o furacão deve tocar o solo nas próximas horas em uma região de Cozumel, antes de avançar na costa por uma área entre os balneários de Cancún e Playa del Carmen, os maiores destinos turísticos do México.

Juntos dos serviços não essenciais, os aeroportos de Cancún e de Cozumel também foram fechados.

Durante o fim de semana, outra tempestade tropical, de nome Gamma, e uma frente fria causaram chuvas em grande parte da região e causaram seis mortes. Ao todo, foram 600.000 pessoas afetadas, principalmente por inundações, no sul e sudeste do México.

Imagens de satélite mostram o furacão Delta, que se aproxima da costa do méxico e pode afetar Cancún, um dos principais pontos turísticos do país – 07/10/2020 AFP PHOTO / RAMMB/NOAA/AFP

A situação representa um novo golpe para o Caribe mexicano, o principal destino turístico do México, que observou uma queda dramática na chegada de visitantes devido à pandemia.

O turismo representa mais de 8% do PIB mexicano, o quarto país do mundo mais enlutado pelo coronavírus, com 82.348 mortes e 794.608 casos confirmados.

O Delta é a 26ª tempestade com nome, em uma temporada de furacões no Atlântico excepcionalmente ativa. Vários recordes já foram batidos este ano, incluindo o fim da lista de nomes previstos para os ciclones. Por conta disso, os meteorologistas começaram a identificá-los com o alfabeto grego.

Continua após a publicidade
Publicidade