Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Fundador do Wikileaks tem internet cortada por interferir em outros países

O Equador, que deu asilo a Julian Assange na embaixada em Londres, afirma que ele descumpriu 'acordo escrito' para não prejudicar relações diplomáticas

Por Da redação Atualizado em 9 Maio 2018, 17h55 - Publicado em 9 Maio 2018, 16h52

A ministra de Relações Exteriores do Equador, María Fernanda Espinosa, confirmou nesta quarta-feira que o fundador do Wikileaks, Julian Assange, está sem acesso à internet desde o final de março, quando o governo o acusou de descumprir acordo escrito, assumido em 2017, de não interferir na política de outros países e colocar em risco os laços internacionais do país.

O Equador oferece asilo a Assange desde 2012 em sua embaixada em Londres.

“Atualmente, Assange segue sem acesso às redes sociais e à internet”, disse a ministra em um encontro em Quito, capital equatoriana, com um reduzido grupo de jornalistas.

  • A decisão ocorreu na semana em que Assange postou uma mensagem em seu Twitter desafiando a acusação do Reino Unido de que a Rússia foi responsável pelo envenenamento do ex-agente duplo russo Sergei Skripal e sua filha, Yulia, na cidade inglesa de Salisbury, no início de março.

    Segundo comunicado emitido pelo governo equatoriano, Assange estaria “pondo em risco as boas relações que o país mantém com o Reino Unido, com o resto dos Estados da União Europeia e com outras nações” por meio de mensagens nas redes sociais.

    Continua após a publicidade

    Espinosa, que em dezembro concedeu a nacionalidade equatoriana a Assange para tentar tirá-lo do Reino Unido com passaporte diplomático, acrescentou que estão sendo feitos todos os esforços “pela via diplomática para resolver a situação, e estamos fazendo isso em permanente diálogo com o Reino Unido” e com “equipes de advogados”.

    “Estamos buscando uma saída, mas essa saída tem que estar dentro do direito internacional dos direitos humanos”, lembrou a ministra.

    Há alguns meses, o próprio presidente do Equador, Lenín Moreno, qualificou Assange como “uma pedra no sapato” e disse que era vontade do Equador encerrar essa situação.

    Assim confirmou hoje também a ministra de Relações Exteriores, mas advertiu que para seu país continua sendo “fundamental garantir a integridade da pessoa protegida”.

    “Eu diria que ambos países (Equador e Reino Unido) têm interesse e intenção de que isto se resolva, que haja uma saída que permita a Assange estar em uma condição melhor. Como digo, é preciso juntar vários temas para um acordo definitivo”, disse a chanceler equatoriana.

    (Com EFE)

    Continua após a publicidade
    Publicidade