Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Fundador da Coreia do Norte queria viver 100 anos. Não deu

Kim Il Sung, avô do atual ditador Kim Jong-un, queria ficar no poder o maior tempo possível e fazia uso de tratamentos alternativos, revela sua ex-médica

Por Da Redação 20 out 2014, 12h38

Kim Il Sung, fundador do autoritário regime comunista da Coreia do Norte e avô do atual ditador, Kim Jong-un, queria viver por 100 anos – revelou nesta segunda-feira sua médica pessoal em entrevista à CNN. Kim So-Yeon foi médica do ‘líder supremo’ por muitos anos, mas abandonou a Coreia do Norte em 1992.

Vivendo na Coreia do Sul, a médica revelou que o projeto do ditador era permanecer no poder por mais tempo possível e para isso ele recorria a tratamentos heterodoxos. Um deles consistia em assistir a apresentações com crianças e rir muito – a felicidade, segundo a prescrição médica, era uma das condições para garantir a longevidade. Outro tratamento, mais bizarro, era feito com transfusões de sangue periódicas – os doadores, cautelosamente selecionados, eram jovens saudáveis de 20 anos.

Leia também

Encontro de militares das Coreias termina sem avanços

Ditador da Coreia do Norte reaparece em público usando bengala

Sumiço de Kim Jong-un dá origem a rumores sobre golpe

Depois de testemunhar os recentes problemas de saúde vividos por Kim Il Sung, a médica diz que o atual ditador Kim Jong-un poderia estar sofrendo de males semelhantes. Segundo So-Yeon, o jovem ditador pode ter herdado uma série de problemas de saúde de seu avô, como distúrbios psicológicos por causa do estresse, arritmia e obesidade.

Suspeita-se que, assim como seu avô, o ditador também sofra de gota, um tipo de artrite que provoca inflamação nos tendões. Dependendo da gravidade, a doença causa dores agudas e compromete os movimentos. Depois de ficar cinco semanas sumido, dando margem para especulações sobre sua saúde, Kim Jong-un reapareceu de bengala. Segundo a imprensa sul-coreana, ele operou os dois tornozelos.

Continua após a publicidade
Publicidade