Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Funcionário de cinema reforça suspeita sobre filme anti-Islã

Acredita-se que longa não exista, apenas trailer editado e publicado no YouTube

Por Da Redação 19 set 2012, 14h00

Enquanto os protestos pelo trailer do filme Innocence of Muslims (A Inocência dos Muçulmanos, em tradução livre do inglês) persistem em vários países do mundo árabe, aumentam as suspeitas de que o longa provavelmente nem exista, informou nesta quarta-feira o site da revista The Hollywood Reporter. Um funcionário do cinema Vine, em Hollywood, onde o filme teria sido exibido, disse ao jornal Los Angeles Times que ninguém – nem mesmo ele – assistiu à estreia.

Leia também:

Leia também: Trailer que deu origem a protestos é colocado sob suspeita

atriz georgiana Anna Gurji, que participou do filme Innocence of Muslims

Segundo o depoimento da atriz, “o filme era sobre a queda de um cometa em um deserto” e a luta de tribos pelo artefato que eles acreditavam ter poderes mágicos. “Um ano mais tarde, o filme foi dublado (sem a permissão dos atores), as falas foram mudadas drasticamente e o filme foi transformado na obra anti-islâmica. Até os nomes dos personagens foram mudados. E o personagem com quem eu contracenava, GEORGE, virou MAOMÉ”, disse.

Sam Bacile – Anna disse, ainda, ter tido contato com Sam Bacile, cuja identidade está sob investigação e que é conhecido também como Nakoula Basseley Nakoula, o homem por trás da produção. “Ele era muito amigável, respeitoso, de fala delicada, sempre se certificando de que tudo estava correndo tudo bem e que todos estavam satisfeitos”, explicou a atriz.

Bacile teria dito à atriz que disponibilizaria ingressos para assistir à première do filme. “Eu nunca fui informada sobre a première (se é que ela aconteceu) e nem vi o produto final (se é que houve algum, além do curta-metragem que foi colocado na internet)”, disse.

Nakoula deixou sua residência na Califórnia na companhia de sua família recentemente, sem revelar seu destino. No último sábado, foi interrogado sobre a possibilidade de ter violado a liberdade condicional – em 2010, ele foi condenado por fraude bancária -, mas acabou solto logo depois.

Assista na íntegra o vídeo que deu origem aos protestos dos muçulmanos:

Continua após a publicidade
Publicidade