Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Francês é detido na Bulgária suspeito de vínculos com jihadistas de Paris

Joachin Fritz-Joly, de 29 anos, é suspeito de ter ligações com Cherif Kouachi, um dos terroristas que atacou o semanário 'Charlie Hebdo', deixando 12 mortos

Um francês detido na Bulgária no dia 1º de janeiro por ter tentado viajar à Síria é suspeito de ter mantido vínculos com Cherif Kouachi, um dos autores do ataque contra o semanário satírico francês Charlie Hebdo, anunciou o Ministério Público búlgaro nesta terça-feira. A ordem de detenção emitida pela França contra Joachin Fritz-Joly menciona a acusação de “participação com um grupo criminoso armado cujo objetivo era organizar atos terroristas”, declarou Darina Slavova, procurador-geral de Haskovo, cidade ao sul da Bulgária.

“Antes de partir no dia 30 de dezembro à Turquia, esteve várias vezes em contato com um dos dois irmãos, Cherif Kouachi”, afirma a ordem de detenção. Fritz-Joly, de 29 anos, de origem haitiana, foi detido com seu filho no dia 1º de janeiro, quando tentava cruzar a fronteira búlgaro-turca em um ônibus. O Ministério Público de Haskovo havia afirmado inicialmente que era alvo de uma ordem de detenção europeia, depois que sua esposa o acusou de sequestrar seu filho de 3 anos para levá-lo à Síria e educá-lo nos princípios do Islã radical. O menino foi entregue à mãe.

Leia também

Vídeo: mulher procurada na França é flagrada no aeroporto de Istambul

França terá 10 mil militares nas ruas para garantir segurança

Inteligência francesa ainda tem respostas a dar e ameaça a combater

O suspeito disse que viajava com seu filho e sua companheira para passar férias em Istambul. Na segunda-feira aceitou ser extraditado. “Espero que toda a rede, se é que existe uma, venha à tona e que possamos contribuir para o trabalho das autoridades francesas”, declarou o ministro do Interior, Veselin Vuchkov, à rádio local BNR. Segundo o ministro, “detectar e deter as pessoas que cruzam a Bulgária não é um problema”, desde que as autoridades sejam informadas.

(Com agência France-Presse)