Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

França volta a adiar entrega de navio de guerra à Rússia

Porta-helicópteros construído em estaleiro francês vai ficar no país "até segunda ordem" por causa da crise na Ucrânia

Por Da Redação 25 nov 2014, 14h59

O governo francês anunciou nesta terça-feira que vai adiar novamente a entrega de um navio de guerra para a Rússia por causa das ações russas no leste da Ucrânia. A entrega do porta-helicópteros Vladivostok, construído em um estaleiro em Saint-Nazaire, já havia sido adiada temporariamente pela primeira vez em setembro. O governo tinha até o final de novembro para reconsiderar a decisão. Desta vez, o presidente François Hollande avaliou que “a situação na Ucrânia ainda não permite a entrega do navio” e afirmou que a embarcação vai ficar na França até “segunda ordem”.

O Vladivostok faz parte de um lote de dois navios da classe Mistral encomendado pela Rússia em 2011, ao custo estimado de 1,2 bilhão de euros. O segundo navio, batizado como Sebastopol, deve ficar pronto em 2015. Cada embarcação tem capacidade de transportar dezesseis helicópteros, tropas e veículos blindados.

Em setembro, logo após o primeiro adiamento, a Rússia reclamou da decisão e ameaçou cobrar uma indenização da França por quebra de contrato, mas depois moderou o tom. O vice-ministro da Defesa do país, Yuri Borisov, disse nesta terça-feira para uma agência local que os russos vão “esperar pacientemente” pelos navios e que por enquanto não vai entrar com qualquer processo.

Leia também:

MH17: novo vídeo mostra instantes seguintes à queda

Continua após a publicidade

Ataques de artilharia matam cinco civis no leste da Ucrânia

Otan confirma entrada de militares russos na Ucrânia

O adiamento também não havia sido bem recebido em alguns setores na França. O próprio governo Hollande hesitou por meses em tomar a medida, argumentando que as sanções econômicas impostas recentemente à Rússia não poderiam ser retroativas e não deveriam afetar contratos assinados em 2011. Até mesmo dirigentes da oposição se manifestaram pela entrega das embarcações, mas diante da pressão dos EUA e de outros países europeus, Hollande acabou segurando a entrega.

A decisão também provocou uma reação negativa entre os operários que construíram o Vladivostok e que atualmente trabalham no Sebastopol. Dirigentes sindicais manifestaram temor de que uma queda de braço pelos navios prejudique o estaleiro de St. Nazaire em contratos futuros. O casco do Sebastopol foi justamente lançado ao mar pela primeira vez na semana passada, indicando que apesar do adiamento na entrega, o trabalho prossegue normalmente no segundo navio.

Além da construção, o contrato prevê o treinamento das tripulações russas que vão operar as embarcações e a transferência de tecnologia. Alguns marinheiros russos estão na França aprendendo o funcionamento do primeiro navio. De acordo com a imprensa francesa, 200 deveriam embarcar para St. Nazaire para assumir a embarcação nesta semana caso o governo não tivesse novamente adiado a entrega.

Continua após a publicidade
Publicidade