Clique e assine a partir de 8,90/mês

França mobiliza seu maior porta-aviões contra jihadistas no Iraque

A embarcação Charles de Gaulle conta com dois caças Rafale, nove aviões Super Étendard e 2.000 homens a bordo. O navio já está no Oriente Médio

Por Da Redação - 23 fev 2015, 09h34

A França anunciou nesta segunda-feira que mobilizou seu porta-aviões Charles de Gaulle, o maior de sua esquadra, como parte das operações da coalizão internacional contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) no Iraque. “A integração do Charles de Gaulle na operação começa nesta manhã”, declarou um porta-voz do ministro francês da Defesa, Jean-Yves Le Drian. Os primeiros aviões de combate Rafale decolaram pela manhã do Charles de Gaulle, que avança ao norte do Bahrein, no Golfo Pérsico, a caminho do Iraque.

A partir de sua nova posição, os aviões franceses poderão alcançar seus alvos em uma hora e meia de voo, a metade em comparação com a base de Al Dhafra, nos Emirados, utilizada pela Aeronáutica francesa. O Charles de Gaulle, que zarpou no dia 13 de janeiro de Toulon (sul da França) para uma missão de cinco meses, permanecerá várias semanas no Golfo, ao lado do porta-aviões americano Carl Vinson, como parte da coalizão internacional antijihadista dirigida pelos Estados Unidos.

Leia também

EI divulga vídeo que mostra peshmergas em jaulas

EI divulga vídeo de decapitação de cristãos egípcios

Continua após a publicidade

EI vende, crucifica e enterra crianças vivas no Iraque

Com dois caças de combate Rafale e nove aviões Super Étendard a bordo, Paris vai duplicar seu dispositivo aéreo na região, que contava com nove Rafale nos Emirados Árabes Unidos e seis Mirage 200D na Jordânia. A França lançou em meados de setembro a operação Chammal no Iraque. Desde então, seus aviões realizaram missões de reconhecimento e bombardeios no país para apoiar o exército local e os peshmergas curdos que combatem o EI.

O país é, junto à Austrália, um dos que fornece mais efetivos à coalizão de 32 países, embora sejam os Estados Unidos que realizam a maioria dos ataques aéreos. Desde agosto de 2014, a campanha militar internacional se traduziu em mais de 2.000 bombardeios no Iraque e na Síria. Os caças franceses só intervêm no Iraque porque Paris considera que uma operação na Síria pode reforçar o regime de Bashar Assad frente aos rebeldes que lutam para derrubar o ditador.

Os bombardeios buscam deter o avanço do EI destruindo depósitos de munições, veículos e os poços de petróleo que controlam, a maior base financeira do grupo jihadista. Os países da coalizão, que excluem enviar tropas terrestres à zona, também lançaram missões de aconselhamento e treinamento do exército iraquiano, que demonstrou incapacidade para enfrentar o EI. O Estado-Maior americano espera que as forças iraquianas estejam em condições de lançar uma ofensiva terrestre na cidade estratégica de Mosul entre abril e maio, antes do Ramadã e dos calores extremos do verão (no hemisfério norte).

O Charles de Gaulle, autêntica base aérea flutuante, contará com o apoio de um submarino nuclear de ataque, de uma fragata de defesa antiaérea e de outra antissubmarina, assim como de um navio petrolífero para abastecimento. A operação envolve 2.700 marinheiros, entre eles 2.000 a bordo do porta-aviões francês. A França tem 3.500 soldados na missão Chammal, e outros 3.000 homens na operação Barkhane, realizada em em vários países da África subsaariana (Mali, Mauritânia, Níger, Chade e Burkina Faso), outro importante cenário da luta contra o jihadismo.

(Com agências Reuters e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade