Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

França: Le Pen é alvo de rivais em primeiro debate eleitoral

A candidata de extrema direita criticou a União Europeia e prometeu dar fim à imigração "legal e ilegal" no país

Por Da redação Atualizado em 21 mar 2017, 16h34 - Publicado em 21 mar 2017, 09h43

Os principais candidatos às eleições presidenciais da França – François Fillon, Benoît Hamon, Marine Le Pen, Emmanuel Macron e Jean-Luc Mélenchon – se enfrentaram no primeiro debate televisivo dessas eleições, na noite de segunda-feira. O embate de três horas e meia foi focado em ataques à candidata de extrema direita e discussões entre Le Pen e Macron, seu rival mais forte nas urnas.

A líder da Frente Nacional contestou a União Europeia (UE) e atacou a chanceler da Alemanha, Angela Merkel. “Eu realmente quero ser a presidente da França, não a vice-chanceler de Merkel. Quero garantir a independência nacional, em conformidade com a Constituição e defender os nosso valores, identidade nacional e tradições”, afirmou.

Ex-ministro da Economia, Macron iniciou o debate comedido, um reflexo de sua nula experiência como candidato a um cargo público. O fundador do movimento Em Marcha, porém, mostrou suas garras quando alfinetado por Le Pen, que o acusou de ser a favor do burkini – traje de banho muçulmano que foi motivo de polêmica na França. “Você está mentindo ao manipular a verdade”, disse Macron.

Em relação à segurança nacional, o discurso de Le Pen se assemelhou aos do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump – anti-imigração e insistente no combate radical ao terrorismo. “Os setores jihadistas representam uma grande ameaça para os franceses. Eu quero parar a imigração, legal e ilegal, e assumo totalmente o meu ponto de vista”, afirmou a candidata.

De centro-direita, Fillon adotou um tom menos agressivo que o de Le Pen sobre a imigração, mas comentou que “a situação social e econômica dos nossos países deve nos levar a impor limites às entradas em nosso território”. O candidato já esteve logo atrás de Le Pen nas pesquisas, porém, pode perder seu lugar no segundo turno para Macron, após ter a reputação manchada por um escândalo de corrupção. “Eu tenho algumas falhas. Quem não tem? Mas sei comandar uma pequena cidade, uma região, um governo”, concluiu Fillon.

O candidato socialista Benoît Hamon e o líder da extrema esquerda, Jean-Luc Mélenchon, tentaram aumentar seus índices de intenção de voto, ao também se voltarem contra Le Pen. Hamon disse que a atitude da candidata era “doentia” após ela ter descrito as escolas francesas como “um pesadelo diário”. Já Mélenchon ironizou a “prudência” dos rivais, por evitarem tocar nos temas de corrupção que perseguem Le Pen e Fillon.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)