Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

França fecha fronteiras para países fora da União Europeia

Também nesta sexta-feira, Alemanha confirmou que irá vetar, a partir de sábado, a entrada de pessoas vindas do Brasil

Por Da Redação 29 jan 2021, 17h47

O primeiro-ministro da França, Jean Cartex, anunciou nesta sexta-feira, 29, que o país vai fechar suas fronteiras com países fora da União Europeia a partir deste domingo, “exceto por motivo impreterível”. O objetivo é impedir a propagação do novo coronavírus e suas variantes.

“Qualquer entrada na França e qualquer saída de nosso território com destino ou proveniente de um país fora da União Europeia será proibida, exceto por motivo impreterível, a partir de domingo às 00h00 [20h de Brasília]”, afirmou Castex, em um discurso televisionado do Palácio do Eliseu, sede da presidência.

O governo francês já vinha debatendo durante a semana a possibilidade de impor outro bloqueio nacional, à medida que os casos confirmados de Covid-19 continuam aumentando em todo o país e os temores sobre novas e mais contagiosas variantes do vírus crescem.

Contudo, o Conselho de Defesa, que toma a decisão final sobre as restrições de saúde na França, decidiu evitar o fechamento generalizado de negócios não essenciais – impondo restrições de viagens e a proibição do funcionamento de shoppings, em adição ao toque de recolher, já em vigor, a partir das 18h.

Por enquanto, viajantes de países membros da União Europeia podem entrar na França mediante apresentação de um teste negativo para o coronavírus (anteriormente essa regra só se aplicava a chegadas por via aérea e marítima). Os únicos isentos são pessoas que moram em outro país e trabalham em terras francesas.

“Queremos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para evitar outro lockdown. Os próximos dias serão decisivos. Vamos estar muito vigilantes”, acrescentou o primeiro-ministro.

Continua após a publicidade

A França registrou quase 23 mil novos casos nas últimas 24 horas, nível inferior ao dos países vizinhos, mas ainda alto para os cálculos do governo. A doença já matou 75.260 pessoas desde o início da pandemia, com 356 mortes nas últimas 24 horas.

Nos últimos sete dias, mais de 11.000 pessoas tiveram que ser hospitalizadas no país.

A medida, claro, afeta o Brasil, se acumulando junto a diversas outras restrições já anunciadas contra voos brasileiros anteriormente. Também nesta sexta-feira, a Alemanha confirmou que irá vetar, a partir de sábado, a entrada de pessoas vindas do Brasil, Reino Unido, Irlanda, Portugal, África do Sul, Lesoto e Suazilândia, considerados de alto contágio por variantes do novo coronavírus. A medida é válida até pelo menos o dia 17 de fevereiro.

Para proteger nossa população, não deve haver entrada de regiões onde essas variantes do vírus são galopantes”, disse Horst Seehofe, ministro do Interior da Alemanha. 

Na quarta-feira, Portugal proibiu todos os voos que fazem conexão com o Brasil, enquanto a Argentina anunciou uma redução de 50% das viagens aéreas com o país. Um dia antes, o Peru e a Turquia adicionaram o Brasil à lista de nações impedidas, coisa que já tinham feito a Itália, o Reino Unido e os Estados Unidos.

A variante brasileira tem mutações que favorecem a entrada do vírus nas célula humanas. Cientistas temem que essas mudanças favoreça a possibilidade de reinfecções. Por enquanto, não há evidências de que essas variantes diminuam eficácia das vacinas em produção, mas a cepa parece altamente infecciosa.

Continua após a publicidade
Publicidade