Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

França: campanha pelo segundo turno divide raivosos e otimistas

Os partidos tradicionais, que dominaram a política francesa por meio século, são os grandes perdedores do pleito

Por Gabriel Brust, de Paris Atualizado em 3 Maio 2017, 12h36 - Publicado em 23 abr 2017, 18h17

A derrota inédita dos dois tradicionais partidos de esquerda e direita na eleição na França muda uma configuração política estabelecida há meio século. A passagem do centrista Emmanuel Macron e da candidata de extrema-direita Marine Le Pen ao segundo turno apresenta, segundo especialistas da Sciences Po,  principal think tank político francês, uma nova clivagem entre a população francesa: os que veem o futuro com otimismo ou pessimismo.

Para Yann Algan, professor e pesquisador da Sciences Po, o resultado da eleição reflete uma realidade que já aparecia no radar das pesquisas feitas pela principal escola de ciência política do país. “Temos duas Franças opostas: uma  voltada ao futuro, otimista, encarnada em Macron, e uma mais raivosa, de Le Pen”, diz Algan, em Paris, pouco após a divulgação dos primeiros resultados.

É perceptível a decepção que motivou os novos eleitores do partido Frente Nacional – não aqueles que levaram o partido ao segundo turno em 2002 com Jean-Marie Le Pen, mas os que levaram sua filha ao centro da política francesa, este ano.

“Seja em qualquer classe social ou nível de educação, patrões e empregados, o que une os eleitores de Le Pen é o pessimismo com uma crise econômica que dura dez anos”, disse Algan na sede da Sciences Po.

A cientista política Anne Muxel vai além na definição das novas forças opositoras: “É a França com raiva e a França que não está com raiva. Entre os que estão com raiva, há não apenas os eleitores de Le Pen, mas também os da esquerda radical de Jean-Luc Mélanchon. No final, praticamente metade dos votos do primeiro turno foi o voto com raiva”, define a pesquisadora.

Continua após a publicidade

Na avaliação de Muxel, Macron acertou mais que Le Pen: “Macron conseguiu fazer passar mensagem de que não é nem de direita nem de esquerda. E Le Pen se enganou durante a campanha, fazendo discurso apenas para os convertidos, esquecendo de se abrir para capturar um novo eleitorado.”

Frente republicana

Os 21,9% obtidos por Marine Le Pen são considerados por grande parte dos analistas como muito abaixo do esperado, já que a Frente Nacional alcançou  27% dos votos na eleição regional de 2015. Apesar disso, muitos acreditam que o segundo turno não será o massacre verificado em 2002, quando Jacques Chirac bateu a Frente Nacional com 80% dos votos, após a formação do Bloco Republicano que uniu direita e esquerda contra Jean-Marie Le Pen.

Ao anunciar o voto em Emmanuel Macron logo após o anúncio do resultado do primeiro turno, os candidatos da esquerda e da direita tradicionais, Benoit Hamon com seus 6% dos votos e François Fillon com 19,7% sinalizam que haverá novamente uma tentativa de formação desta Frente Republicana contra Frente Nacional. Mas o cenário desta vez é diferente. Le Pen filha se afastou do discurso de Le Pen pai, que flertava inclusive com o anti-semitismo e operou a legitimação de seu partido.

Muitos analistas não descartam que Marine atraia no segundo turno o voto dos desiludidos e radicais em geral, inclusive da esquerda. Em seu discurso após o anúncio dos resultados, ela acenou para uma clivagem que soa como música para os ouvidos dos eleitores de Jean-Luc Mélenchon.

“A grande questão dessa eleição é a mundialização selvagem”, definiu Le Pen, estabelecendo dois campos: o daqueles que acreditam no fim das fronteiras e na desregulamentação e aqueles que querem uma França mais fechada menos liberal. Os 19,2% que apoiaram Jean-Luc Mélenchon, em grande parte, se encontram no segundo grupo.

A alta votação de Mélenchon, outra surpresa desta eleição, inaugura o fenômeno do populismo de esquerda na França, seguindo a ascensão do Podemos na Espanha e o Syriza na Grécia. Ao contrário de Hamon e Fillon, Mélenchon não orientou seus eleitores a votar por Macron no segundo turno, mostrando que, ao contrário de 2002, a formação da Frente Republicana contra a Frente Nacional está longe de ser uma certeza. A pesquisa feita na sequência do primeiro turno aponta vitória de Macron, 62% a 38%.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)