Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sem a Rússia, Fórum Econômico volta a acontecer presencialmente em Davos

Encontro de líderes mundiais, empresários e representantes do setor econômico retoma modelo presencial após hiato de dois anos causado pela pandemia

Por André Sollitto Atualizado em 22 Maio 2022, 11h46 - Publicado em 22 Maio 2022, 11h17

Após um hiato de dois anos provocado pela pandemia, o Fórum Econômico Mundial volta a acontecer presencialmente em Davos, nos Alpes Suíços, a partir deste domingo, 22. Até o dia 26 de maio, líderes mundiais, ministros, banqueiros e representantes do setor privado vão discutir os temas mais relevantes da economia global. E, neste ano, o cenário é extremamente conturbado, principalmente por causa da invasão da Ucrânia. Diante do cenário, a Rússia não foi convidada a participar da cúpula.

São esperados 50 chefes de Estado. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, é um dos mais aguardados, mas fará seu discurso por vídeo, na segunda-feira 23, a partir das 6h15. O ministro da Economia ucraniano, Serhiy Marchenko, e o prefeito de Kiev, Vitaly Klitschko, farão participações presenciais. O Brasil será representado no evento pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e pelo presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES), Gustavo Montezano.

A guerra na Ucrânia será um dos temas principais do encontro. A invasão provocada pela Rússia está na pauta oficial, além de ser o centro de discussões paralelas, como o encontro entre o ex-secretário de Estados dos Estados Unidos, Henry Kissinger, e o Klaus Schwab, fundador do Fórum Econômico Mundial e chairman da organização responsável pelo evento.

A Rússia, por outro lado, ficará de fora do encontro. É a primeira vez que o país não é convidado desde o fim da União Soviética. De acordo com Schwab, Davos fará o que puder para apoiar a Ucrânia e sua reconstrução. No lugar da tradicional Casa Rússia, onde visitantes conheciam alguns dos costumes do país, o governo ucraniano montou em Davos, em parceria com um empresário local, a Casa dos Crimes de Guerra da Rússia.

Outros temas que serão debatidos incluem a crise energética, as mudanças climáticas, a inflação que acomete diversos países do mundo e os desafios enfrentados pela economia global após o impacto causado pela pandemia.

O evento aconteceria originalmente de 17 a 21 de janeiro deste ano, mas foi remarcado por conta do avanço da variante ômicron da Covid-19.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)