Clique e assine a partir de 9,90/mês

Forças da Turquia e Síria entram em choque em Idlib

Oito militares turcos e treze sírios morreram no confronto; ataque aéreo mata nove civis em área rebelde próxima de Allepo

Por Da Redação - Atualizado em 30 jul 2020, 19h29 - Publicado em 3 fev 2020, 16h10

Uma troca de tiros na província de Idlib, na Síria, deixou oito soldados turcos e treze militares sírios mortos nesta segunda-feira, 3. A região é o último reduto da resistência contra o regime do ditador Bashar Assad, e a Turquia, apoiadora dos grupos rebeldes, passou a usar força militar contra o Exército da Síria desde outubro.

A Turquia enviou soldados pela sua fronteira sul para Idlib durante a noite, com intuito de proteger seu território e conter os ataques sírios contra os rebeldes. A Síria tem o apoio aéreo russo. O Ministério da Defesa turco disse que suas forças foram enviadas a Idlib como reforço e atacadas mesmo com a notificação prévia de suas coordenadas às autoridades locais.

Também nesta segunda-feira, ataques aéreos mataram nove civis – quatro crianças, três mulheres e dois homens – que estavam fugindo da violência em um micro-ônibus na zona rural de Aleppo, segundo o jornal britânico The Guardian.

Aproximadamente 390.000 pessoas, 80% das quais são mulheres e crianças, deixaram suas casas desde 1º de dezembro, segundo as Nações Unidas, e outras 400.000 foram levadas para a fronteira turca desde abril. A Turquia, que abriga cerca de 4 milhões de refugiados sírios, não está disposta a continuar de fronteiras abertas.

Continua após a publicidade

O presidente turco, Recep Erdogan, disse que a operação em Idlib continuaria e ameaçou apoiadores de Assad em Moscou a se comprometerem com ele.

“Aqueles que testarem o propósito da Turquia em Idlib, na Síria, com ataques traiçoeiros perceberão seu erro”, disse o líder turco nesta segunda-feira, antes de partir para a Ucrânia para um encontro com seu homólogo, Vladimir Zelensky.

Idlib é, em tese, protegida por um acordo para inverter a escalada da violência na região, mediado por Moscou e Ancara em setembro de 2018. Mas embates pioraram desde que o grupo jihadista Hayat Tahrir al-Sham (HTS), antigo braço sírio da Al Qaeda, dominou a área no ano passado.

Publicidade