Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Fome se alastra na América Latina e atinge maior índice em duas décadas

Crise desencadeada pela pandemia atingiu duramente a região

Por Ernesto Neves Atualizado em 30 nov 2021, 16h09 - Publicado em 30 nov 2021, 15h02

Milhões de pessoas mergulharam em situação de extrema pobreza e fome na América Latina e no Caribe ao longo do último ano, segundo novo relatório divulgado pela ONU nesta terça-feira (30).

De acordo com o relatório Visão Geral Regional de Segurança Alimentar e Nutrição das Nações Unidas, em apenas um ano, entre 2019 e 2020,  o número de pessoas que vivem com fome na região aumentou 30%.

Com isso, quase 14 milhões de pessoas entraram em situação de insegurança alimentar. 

O relatório da ONU calcula que 59,7 milhões de pessoas na região estão passando fome, o nível mais alto desde 2000.

O relatório sublinha que os meses de bloqueios e restrições de viagens afetaram duramente os empregos informais, bastante comuns entre as populações mais vulneráveis da América Latina. 

Continua após a publicidade

A crise também sublinha a desigualdade de gênero região. Em 2020, aproximadamente 42% das mulheres experimentaram insegurança alimentar moderada ou grave, em comparação com 32% dos homens.

Um dos responsáveis pelo relatório, Julio Berdegué, representante regional da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), classificou a situação como “crítica”. 

O quadro é particularmente preocupante na América Central. Na Guatemala, metade da população sofre de insegurança alimentar. Em El Salvador, 47%,  e em Honduras, 46%.

Não à toa, os três países tornaram-se pontos de partida para caravanas de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos em busca de melhores condições de vida.

Na América do Sul, a Argentina experimentou o aumento mais drástico na insegurança alimentar.

Mais de um terço da população agora tem acesso limitado a alimentos, resultado da aceleração da inflação e da retração do PIB. 

Continua após a publicidade

Publicidade