Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

FMI elogia governo Milei e libera mais US$ 800 milhões à Argentina

Recursos são parte da 8ª revisão do socorro de US$ 44 bilhões aprovado em 2018. Fundo ressalta que Casa Rosada 'superou metas'

Por Da Redação
Atualizado em 13 Maio 2024, 17h11 - Publicado em 13 Maio 2024, 14h02

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou em relatório técnico divulgado nesta segunda-feira, 13, que o governo do presidente da Argentina, Javier Milei, “superou” as metas de aumento de reservas internacionais e de déficit fiscal, com resultados “melhores que o esperado para o primeiro trimestre” deste ano. Com isso, a Casa Rosada conquistou a oitava revisão do pacote de socorro de US$ 44 bilhões negociado pelos argentinos com o FMI em 2018, pelo então presidente Maurício Macri, e conseguiu liberar um desembolso de cerca de US$ 800 milhões.

Foi uma vitória no âmbito internacional para o ultraliberal, que nesta semana está focado em outra conquista a nível nacional: negociar apoio suficiente no Senado para aprovar sua polêmica “Lei Ônibus”. O pacote liberal se tornou uma das prioridades do governo, e inclui uma lista de privatizações, a concentração de alguns poderes nas mãos do executivo e uma pequena e polêmica reforma trabalhista.

“Melhor que o esperado”

Com tom elogioso, o relatório citou “esforços significativos” do governo para expandir a assistência social a mães e crianças vulneráveis, bem como para proteger o poder de compra das aposentadorias na Argentina. Em fevereiro, a diretora do FMI, Kristalina Georgieva, já havia acenado a Milei, ressaltando a confiança do fundo em seus esforços para reformar a economia argentina em crise, apesar de “contratempos políticos”.

“Com base em resultados melhores do que o esperado – todos os critérios de desempenho para o primeiro trimestre foram ultrapassados ​​- o corpo técnico do FMI e as autoridades argentinas chegaram a um entendimento sobre as políticas para continuar a fortalecer o processo de desinflação, reconstruir as reservas internacionais, apoiar a recuperação e manter o programa firmemente no bom caminho. Este entendimento está sujeito à implementação contínua das medidas políticas acordadas e à aprovação do Conselho Executivo do FMI”, observou o documento.

Continua após a publicidade

O fundo destacou as conquistas:

  1. O primeiro superávit fiscal trimestral em 16 anos;
  2. Rápida queda da inflação;
  3. Mudança na tendência das reservas internacionais;
  4. Forte redução do risco soberano (ameaça da Argentina não honrar o empréstimo bilionário).

Nas graças do ultraliberal

O fundo apoia Milei desde que ele assumiu o cargo, em dezembro, com o objetivo de atingir um déficit zero em 2024, mesmo que isso inclua um plano “motosserra” para cortar gastos.

Mas se o duro ajuste fiscal adotado pelo novo presidente ultraliberal tem o endosso do FMI, a inflação em quase 300% ao ano destruiu o poder de compra das famílias e o país deve ter uma contração do PIB projetada pela organização em 2,8% este ano.

Continua após a publicidade

Ressalva

Ainda assim, a organização alertou que a “qualidade” dos ajustes ainda precisa de ser melhorada, mensagem que vários responsáveis ​​do FMI têm repetido.

“São necessários esforços contínuos para melhorar a qualidade e a equidade da consolidação fiscal, refinar os quadros de política monetária e cambial, bem como resolver os estrangulamentos ao crescimento”, completou o comunicado do fundo.

A número dois do FMI, Gita Gopinath, que esteve em Buenos Aires, elogiou o progresso do governo Milei, mas também pediu “planos para aprofundar o progresso” do programa e ainda proteger os cidadãos mais vulneráveis – mensagem que também vem do Tesouro dos Estados Unidos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.