Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fim de sequestro em Ohio renova esperanças de pais de Madeleine

Menina britânica desapareceu há seis anos, em Portugal. Kate e Gerry McCann acreditam que caso nos EUA serve como novo impulso a investigações

O fim do sequestro de três mulheres no estado americano de Ohio, mantidas reféns por aproximadamente uma década alimentou as esperanças dos pais de Madeleine McCann. O desaparecimento da garota britânica completou seis anos na última semana e voltou a ser assunto com a libertação de Amanda Berry, Gina DeJesus e Michele Knight, nesta segunda-feira. Elas foram encontradas depois que Amanda conseguiu pedir ajuda a um vizinho.

Por meio de um comunicado divulgado nesta terça-feira, Kate e Gerry McCann afirmaram que o caso de Ohio reavivou as esperanças de encontrar Madeleine com vida. “A descoberta dessas jovens mulheres reafirmam as nossas esperanças de achar Madeleine, que nunca diminuíram. A recuperação delas também é uma evidência de que crianças podem ser mantidas em cativeiro por um longo tempo. Nós pedimos ao público que se mantenha vigilante na busca permanente por Madeleine.”

Leia também:

Por que os pais de Madeleine não perdem a esperança

A menina britânica desapareceu em 3 de maio de 2007, quando tinha quatro anos de idade. À época, a família passava férias em uma praia em Algarve, no sul de Portugal. A garota desapareceu do quarto em que dormia com os irmãos menores, enquanto os pais jantavam em um restaurante. Mesmo com todos os esforços da polícia e do governo inglês para viabilizar a retomada das investigações, as autoridades portuguesas arquivaram o caso por falta de provas conclusivas. A Scotland Yard iniciou uma revisão do caso no ano passado, depois que o pedido da família ganhou apoio do primeiro-ministro David Cameron.

A família McCann compareceu a uma cerimônia organizada em um vilarejo inglês, na última semana, para homenagear a garota na exata data de seu desaparecimento. Na ocasião, os pais disseram que estavam encontrando uma “nova normalidade” necessária para seguir com suas vidas, informou o jornal inglês The Guardian.