Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Filho de político participou de ataque terrorista a universidade no Quênia

Atentado na Universidade de Garissa deixou 148 mortos. Quatro terroristas foram abatidos pela polícia, que prendeu outros cinco suspeitos

Por Da Redação 5 abr 2015, 14h46

Foi identificado um dos quatro terroristas envolvidos no ataque terrorista na Universidade de Garissa, em que 148 pessoas foram mortas na quinta-feira. Trata-se do queniano Abdirahim Abdulahi, filho de um político local. Ele faz parte do grupo terrorista Al Shabab, informaram neste domingo jornais do país.

Depois de horas de tiroteio, policiais e soldados cercaram o campus e conseguiram matar os quatro terroristas. Abdulahi foi identificado no sábado quando as Forças de Defesa do Quênia (KDF, em inglês) exibiram os corpos dos quatro responsáveis pelo atentado.

O pai do terrorista, cujo nome não foi revelado, alertou as autoridades que seu filho tinha desaparecido e que suspeitava que tinha viajado para Somália, já que no último ano não queria dar pistas sobre seu paradeiro, de acordo com o jornal.

Sediados na Somália, os terroristas do Al Shabab frequentemente cruzam a fronteira para realizar atentados no Quênia. A cidade de Garissa, onde fica a universidade atacada, está localizada a 200 quilômetros da Somália.

O pai já tinha denunciado que Abdirahim poderia ter se unido ao grupo islamita Al Shabab quando cursava o segundo ano de Direito na Universidade de Nairóbi.

Uma pessoa próxima ao terrorista o definiu como “um advogado brilhante com um futuro promissor”. De acordo com o registro escolar do suspeito, ele terminou o ensino médio com uma performance impecável.

Leia também:

Ataque terrorista deixa mortos em universidade no Quênia

Continua após a publicidade

Al Shabab ameaça realizar mais ataques no Quênia

‘É muito importante e crítico que os pais cujos filhos desaparecem ou mostrem sintomas de ter sido expostos ao extremismo violento avisem imediatamente às autoridades para evitar que sua radicalização siga adiante’, alertou o porta-voz do Ministério do Interior do Quênia, Mwenda Njoka.

Por sua vez, o comissário policial do distrito de Mandera, Alex Nkoyo, assegurou em declarações ao Standard que estão esperando “a confirmação oficial, mas o pai já avisou que (Abdirahim) tinha cortado laços com sua família e o governo tinha conhecimento disso”.

No sábado, os corpos dos quatro terroristas foram exibidos para que a população local ajudasse a identificá-los e centenas de pessoas, inclusive crianças, se reúniram nas ruas para ver os corpos e alguns atiraram pedras, informou o Standard.

Cinco pessoas foram detidas por participação no massacre, três delas quando tentavam fugir para Somália, e ainda é procurado o suposto cérebro do ataque, Mohammed Kuno, que segue foragido.

(com Efe)

Continua após a publicidade
Publicidade