Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Filha de Salvador Allende entregará faixa presidencial a Bachelet

Maria Isabel Allende foi escolhida para presidir o Senado do Chile em 2014

A senadora socialista Maria Isabel Allende, filha do ex-presidente chileno Salvador Allende, entregará em 11 de março a faixa presidencial para Michelle Bachelet, que vai assumir um novo mandato presidencial após ser eleita no ano passado.

A tarefa vai caber a Maria Allende, de 69 anos, porque os partidos da coligação Nova Maioria, a mesma da presidente eleita, decidiram que a senadora, que representa a região de Atacama, vai ser responsável por presidir o Senado chileno durante o ano 2014. É a primeira vez que uma mulher é escolhida para ocupar esse cargo.

Segundo a legislação chilena, ao assumir o cargo, o presidente é investido pelo presidente do Senado.

Leia também:

Suprema Corte encerra investigação sobre morte de Allende

Corte Internacional traça nova fronteira marítima entre Peru e Chile

“Para nós tem um simbolismo enorme que uma mulher socialista, senadora, filha do presidente Salvador Allende entregue a faixa presidencial a outra mulher socialista”, comentou o senador Fulvio Rossi após a divulgação do acordo alcançado entre os partidos da coalizão de centro-esquerda.

“A presença de duas mulheres nos cargos mais relevantes de nosso país, na Presidência da República e do Senado, de alguma maneira legitima para sempre a presença feminina em espaços de poder e a participação da mulher na política”, complementou.

A coalizão estabeleceu ainda que em 2015 o Senado será presidido pelo democrata cristão Patrício Walker e, em 2016, por Ricardo Lagos Weber, do Partido pela Democracia e filho do ex-presidente Ricardo Lagos (2000-2006).

Uma das três filhas de Salvador Allende e prima da escritora Isabel Allende, Maria tinha 38 anos no dia 11 de setembro de 1973, quando seu pai foi deposto em um golpe liderado pelo general Augusto Pinochet. Acuado no Palácio de La Moneda, a sede do Executivo chileno, Salvador Allende se matou. Após o golpe, ela conseguiu asilo político no México. Só voltou ao Chile em 1989, já no final do regime militar.

(Com agência EFE)