Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Fidel Castro faz primeira aparição pública em mais de um ano

O ex-ditador se encontrou com venezuelanos que estavam em missão em Cuba. Desde a queda da União Soviética, a Venezuela se tornou maior aliada da ilha comunista

Por Da Redação 4 abr 2015, 14h10

O ex-ditador cubano Fidel Castro, 88 anos, fez na segunda-feira sua primeira aparição em público em mais de um ano e estava “cheio de vitalidade”, de acordo com informações da imprensa oficial publicadas neste sábado. Na ocasião, ele se encontrou com uma delegação venezuelana. Foi sua primeira aparição fora de sua casa desde que, em dezembro, Cuba concordou em normalizar suas relações com os Estados Unidos, tradicional adversário de Fidel. A imprensa oficial mostrou imagens de Fidel sentado e cumprimentando os venezuelanos pela janela de seu carro, usando um boné de beisebol e um blusão.

Não houve explicações sobre o porquê de as imagens terem sido divulgadas apenas cinco dias após o acontecimento. Ele se encontrou com 33 venezuelanos, que estavam em missão de solidariedade em Cuba, por cerca de 90 minutos. Desde a queda da União Soviética, a Venezuela se tornou maior aliada da ilha comunista.

Leia também

Após EUA, UE também quer retomar relações diplomáticas com Cuba

Socialite que teve filha com Fidel morre aos 89 anos

Continua após a publicidade

Cuba divulga foto de Fidel em encontro com espiões libertados pelos EUA

Fidel “transmitiu vários detalhes da vida na Venezuela, especialmente agora que essa grande nação se tornou o alvo da ganância imperialista”, informou o relato, em aparente referência às sanções americanas contra a Venezuela após o país sul-americano ter sido considerado uma ameaça à segurança nacional dos EUA. “Fidel está cheio de vitalidade”, completou o relato.

A última aparição pública de Fidel tinha sido em 8 de janeiro de 2014, na abertura do centro cultural de Havana, patrocinado por um de seus artistas cubanos favoritos, Alexis Levya, conhecido como Kcho. Em dezembro de 2014, o presidente dos EUA, Barack Obama, e o ditador cubano, Raul Castro, irmão caçula de Fidel, anunciaram que restabeleceriam laços diplomáticos, inaugurando uma nova era nas outrora turbulentas relações desde que os irmãos Castro chegaram ao poder, em 1959.

Fidel Castro renunciou provisoriamente devido à sua doença em 2006, e definitivamente em 2008, entregando o poder para Raul, 83 anos. Fidel ocasionalmente escreve uma coluna para jornal, recebe dignitários em sua casa, mas raramente aparece em público. Seu atual papel na política é incerto. Muitos cubanos presumem que Raul consulta o seu irmão para importantes decisões, e o longo silêncio de Fidel sobre a decisão de dezembro levantou dúvidas sobre sua saúde e sua concordância com a reaproximação com os norte-americanos.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade