Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Festa de 91 anos de Mugabe tem carne de elefante e discurso contra safáris

Críticos consideraram ‘antiéticas e obscenas’ as comemorações nas cataratas de Victoria, que custaram 1 milhão de dólares. Empresários foram forçados a 'colaborar'

Por Da Redação 2 mar 2015, 19h31

Quando o ditador do Zimbábue, Robert Mugabe, caiu em uma cerimônia no início de fevereiro, muitos lamentaram a queda não ter sido do cruel regime que ele impõe ao país há mais de três décadas. Neste fim de semana Mugabe deu mais motivos para lamentações. Em sua festa de aniversário, ele condenou safáris de “brancos” ao mesmo tempo em que ofereceu um banquete regado a carne de filhote de elefante.

A festança pelos 91 anos de idade do ditador – realizada uma semana depois da data de seu aniversário – foi considerada “totalmente antiética” por defensores dos animais e “obscena” por opositores. A farra custou 1 milhão de dólares e reuniu milhares de apoiadores de Mugabe em um resort exclusivo no destino turístico mais conhecido do país, as cataratas de Victoria.

Leia também:

Mugabe cai, tenta censurar imagem, e vira piada

Partido de Mugabe terá maioria no Parlamento, diz comissão

“A maioria dos zimbabuanos está vivendo na miséria e na indigência, e é ofensivo que Robert Mugabe e seus parasitas comemorem, comam e bebam nas cataratas Victoria”, criticou o porta-voz do partido opositor Movimento por Mudança Democrática (MDC), Obert Gutu. “Já é hora de o regime do [partido] Zanu-PF mostrar um pouco de respeito e empatia para com as massas trabalhadoras”.

Continua após a publicidade

Outros animais selvagens, como zibelinas e antílopes, também foram ofertados por um fazendeiro para a festa, enquanto integrantes do governo presentearam o ditador com quarenta vacas. Empresários da região de Victoria disseram terem sido obrigados a ajudar a pagar a conta da festa, e vários hotéis tiveram de oferecer alojamento gratuito aos mais de 100 delegados convidados. Um empresário da cidade de Mutar contou à agência de notícias EFE ter sido pressionado a comparecer a um almoço de arrecadação de fundos no qual os clientes tiveram que pagar 200 dólares por um prato que normalmente valeria 6 dólares.

“Todo o dinheiro coletado para bancar essa farra obscena deveria ser imediatamente destinado aos hospitais públicos, clínicas e escolas rurais que estão em colapso”, disse o porta-voz do partido MDC, Obert Gutu.

O fazendeiro Tendai Musasa disse ao jornal Los Angeles Times ter doado elefantes, um leão e um crocodilo para Mugabe em gratidão ao ditador. “Nós o vemos como nosso pai”, afirmou. Musasa é um dos beneficiários da desapropriação promovida pelo regime, que retirou terras de proprietários brancos sem pagar indenizações. A partir do ano 2000, fazendas de propriedade da minoria branca foram invadidas por um exército de sem-terra arregimentado e patrocinado pelo governo.

EUA – No discurso, ele voltou a ameaçar expropriar reservas de animais de propriedade de brancos. “Vamos invadir esses bosques. Há muitos safáris no campo, poucos são africanos, a maioria é de brancos”, disse. “Os americanos nos impõem sanções e os europeus vêm para cá. Continuam tendo fazendas e privadamente organizam a visita de americanos. Vêm caçar, matam animais e levam troféus para casa”, continuou.

As sanções impostas pelos Estados Unidos ao regime são uma resposta às violações aos direitos humanos e à fraude eleitoral. A última eleição foi realizada em 2013 e o mandato de Mugabe vai até 2018, quando ele estará com 94 anos.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade