Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

FBI recupera quadros roubados que valem US$ 10 milhões

Obras de arte foram roubadas de uma residência de Los Angeles em 2008

Por Da Redação 18 dez 2014, 10h04

Agentes federais e a polícia de Los Angeles recuperaram nove quadros com valor estimado em cerca de 10 milhões de dólares (27 milhões de reais), que haviam sido roubados da casa de um casal idoso há seis anos, incluindo obras dos pintores Marc Chagall e Diego Rivera, informou na noite desta quarta-feira uma porta-voz do Federal Bureau of Investigation (FBI, a polícia federal americana).

Segundo a agência Reuters, as telas foram recuperadas após uma longa operação do FBI, que terminou com a prisão de um suspeito identificado como Paul Espinoza, de 45 anos. Ele estava tentando vender as obras roubadas para um agente disfarçado, explicou a porta-voz do FBI Laura Eimiller. Espinoza foi acusado por promotores de Los Angeles por posse de propriedade roubada, segundo Laura. Ela acrescentou que a investigação da polícia e do FBI sobre o roubo de arte segue em andamento e que outros suspeitos continuam sendo procurados.

Leia também

Tela de Turner atinge R$ 123 milhões e bate recorde

Obras de arte roubadas recuperadas pelo FBI
Obras de arte roubadas recuperadas pelo FBI VEJA

Os agentes federais estão procurando três outros quadros roubados de uma residência em Encino, um bairro próspero de Los Angeles, em agosto de 2008, em um roubo que figura entre os maiores dos EUA envolvendo obras de arte. De acordo com a polícia local, segundo relatos do Los Angeles Times, o casal proprietário da residência disse aos investigadores que estava em seu quarto e não ouviu nada quando o roubo aconteceu. A empregada doméstica estava fora, fazendo compras para a casa. A empregada notou, ao voltar para casa, que as paredes do corredor e da sala estavam vazias.

Uma recompensa de 200.000 dólares (540.000 reais) que levasse à recuperação dos quadros e à apreensão dos ladrões foi oferecida meses depois. Mas o caso esfriou até setembro de 2014, quando a polícia recebeu uma pista de que um homem na Europa conhecido como “Darko” estava buscando compradores para as obras de arte roubada, segundo o Times.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade